Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Obama deve anunciar Yellen para chefiar o Fed nesta quarta

Segundo fontes da Bloomberg e do Wall Street Journal, decisão do presidente será anunciada em evento em Washington e contará com a presença de Bernanke

Por Da Redação 8 out 2013, 20h25

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, deverá indicar a vice-presidente do Federal Reserve (Fed, o banco central americano) Janet Yellen para chefiar a autoridade monetária do país. Segundo fontes da Bloomberg e do Wall Street Journal, o anúncio está previsto para a tarde de quarta-feira (às 14h, horário de Brasília). Yellen é economista egressa da Universidade de Yale e ocupa o cargo de vice-chairman do Fed desde outubro de 2010. Antes, chefiava a divisão do órgão em São Francisco.

Janet Yellen tem 67 anos e deve suceder Ben Bernanke, cujo mandato termina em 31 de janeiro de 2014. A decisão de Obama era esperada para setembro, mas diversos fatores adiaram o anúncio. O principal deles foi a saída do economista Larry Summers da corrida para a chefia do órgão. Summers era considerado o favorito de Obama, mas enviou uma carta ao presidente pedindo para não ser considerado para o cargo. Nas semanas anteriores à sua renúncia, centenas de economistas americanos assinaram uma carta aberta pedindo a escolha de Yellen.

Após a indicação oficial, Yellen deverá ter seu nome aprovado pelo Comitê Bancário do Senado, de 22 membros, no qual os democratas detêm maioria. Se aprovada, será a primeira mulher a presidir o Fed.

Leia também:

Casa Branca diz que Obama pode nomear Yellen para chefia do Fed

Bernanke está de saída do Fed; saiba como isso afeta o Brasil

A indicação de Yellen agradará aos Democratas e à comunidade econômica. Os jornais The New York Times e Financial Times já tornaram pública sua preferência pela economista. Os ganhadores do Nobel Paul Krugman e Joseph Stiglitz publicaram artigos endossando a colega. “Ela foi uma das minhas mais brilhantes alunas”, escreveu Stiglitz. Alguns dos principais formadores de opinião dos Estados Unidos, como John Cassidy, da The New Yorker, e Ezra Klein, do Washington Post, não falaram abertamente sobre seu apoio – mas ele é notado nas entrelinhas dos inúmeros artigos que escreveram sobre o tema desde a confirmação da saída de Bernanke.

Entre os principais trunfos de Yellen ao longo do processo de escolha de Obama foi o fato de ela ter sido a artífice, junto com Bernanke, do programa de estímulo monetário colocado em prática desde 2007 e que ajudou a resgatar a economia americana da recessão. Uma transição suave, quase imperceptível, é o que o mercado espera caso ela assuma.

Continua após a publicidade
Publicidade