Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Movimento antiTrump agora sugere boicote a 32 varejistas

Eleitores decepcionados com eleição do bilionário para presidir os EUA criam 'lista negra empresrial' - e já conseguem resultados concretos com a ação

Por Da redação - Atualizado em 16 nov 2016, 15h26 - Publicado em 16 nov 2016, 15h25

Os americanos decepcionados com eleição do republicano Donald Trump para presidir os Estados Unidos seguem engajados na manifestação de seu descontentamento. Agora, depois de passeatas, a estratégia é boicotar empresas que apoiaram – ou supostamente apoiaram – o bilionário durante a corrida presidencial. Já há 32 empresas, principalmente redes varejistas, na lista negra dos manifestantes.

Em outubro, a estrategista digital e de marcas Shannon Coulter criou a hashtag #GrabYourWallet (“pegue sua carteira”, em tradução livre) depois da divulgação de gravações em que Trump fez comentários pouco lisonjeiros sobre as mulheres. A hashtag ganhou corpo após as eleições.

Já há resultados concretos dos protestos virtuais. No último sábado, a rede Shoes.com anunciou no Twitter que retiraria de seus estoques sapatos que levam a marca de Ivanka Trump, filho do presidente eleito dos EUA. Com isso, a empresa saiu da lista negra.

Veja abaixo as empresas que são alvo das manifestações antiTrump.

Publicidade