Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Mercado vê crescimento do PIB próximo dos 4% e inflação acima do teto

Segundo Boletim Focus, economia brasileira deve crescer 3,96% neste ano e inflação encerra 2021 a 5,31%, acima dos 5,25% da margem de tolerância

Por Larissa Quintino Atualizado em 2 jun 2021, 00h15 - Publicado em 31 Maio 2021, 09h58

O reaquecimento da economia brasileira sinalizado por indicadores de atividades tem feito que as previsões de crescimento da economia para este ano sejam periodicamente revistos. Analistas ouvidos pelo Banco Central indicam que o PIB do país deve encerrar o ano em 3,96%, segundo o Boletim Focus desta segunda-feira, 31. Caso confirmado, este será o maior crescimento da economia desde 2011, quando o PIB cresceu 4%. Além do PIB, os economistas consultados pelo BC também revisaram a inflação para cima, chegando a 5,31%, acima do teto da meta, de 5,25%.

Sobre o crescimento da economia, esta é a sexta semana consecutiva de revisões para cima, sendo a maior previsão de PIB feita pelos analistas do Boletim Focus neste ano. O desempenho da economia nos primeiros meses do ano, melhor que o esperado com a aceleração dos casos de Covid-19 que tanto impactaram a economia no ano passado, mostram a recuperação e puxam o otimismo.

As revisões para cima se acentuaram com o resultado do IBC-Br, prévia do PIB, que indica desempenho positivo no primeiro trimestre, com impacto positivo do setor de serviços. O resultado do PIB do primeiro trimestre será divulgado nesta terça-feira, 1º, pelo IBGE.

Preços altos

Além do crescimento da economia, os analistas consultados pelo Banco Central voltaram a rever para cima a inflação do ano. Na oitava revisão seguida, os analistas projetam o IPCA, índice oficial de inflação do país, em 5,31%, acima dos 5,24% de semana passada e também do limite do teto da meta, definido em 5,25%.

A projeção está bem acima do centro da meta, de 3,75%, e encostada na margem de tolerância, de 1,5 ponto porcentual para cima. No caso das previsões obtidas no últimos cinco dias úteis, a estimativa é que o IPCA pode chegar a 5,49%, acima do teto da meta.

A inflação serve como um termômetro da economia e diversas variantes a afetam. Em abril, com a estabilização maior no preço dos combustíveis e até algumas quedas dos preços nas refinarias definidas pela Petrobras, a pressão inflacionária foi menor, mas ainda é relevante. O IPCA subiu 0,31%, abaixo dos 0,93% de março, mas trouxe alta maior nos preços dos alimentos, os “vilões” da inflação de 2020. A inflação acumulada nos últimos 12 meses é de 6,76%. Em maio, é estimada uma nova pressão, vinda de preços administrados de habitação, com alta já anunciada de 40% do gás encanado e bandeira tarifária vermelha para a energia no mês.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês