Veja Digital - Plano para Democracia: R$ 1,00/mês

Investidores castigam BM&FBovespa — que cai ao menor nível em mais de 6 meses

Ibovespa fechou em queda de 3,13% nesta segunda-feira, enquanto o dólar avançou 1% a 2,437 reais

Por Marília Carrera 3 fev 2014, 18h02

A forte onda de aversão ao risco que persiste nos mercados internacionais devido aos novos sinais de desaceleração econômica na China e a redução dos estímulos monetários dos Estados Unidos fez com que a Bolsa de Valores de São Paulo tivesse o pior desempenho desde julho do ano passado e o dólar atingisse a maior cotação em seis meses ante o real, nesta segunda-feira.

O Ibovespa encerrou o pregão com forte queda de 3,13%, a 46.147 pontos, o nível mais baixo desde 12 de julho, quando o índice recuou 2,34%, para 45.533 pontos. O dólar, por sua vez, subiu 1,02%, para 2,437 reais, o maior patamar desde 21 de agosto. Na ocasião, a divisa norte-americana registrou alta de 2,38%, para 2,4512 reais.

A divulgação de dados econômicos mais fracos na China intensificaram as preocupações com os mercados emergentes, sobretudo o Brasil, um dos principais parceiros comerciais do país asiático. Nesta segunda-feira, a Agência Nacional de Estatística da China informou que o índice que avalia o crescimento do setor de serviços do país caiu para 53,4 pontos em janeiro ante 54,6 pontos no mês anterior, o menor resultado em cinco meses.

Leia também:

Bovespa encerra janeiro com pior desempenho em quase 20 anos

‘Efeito manada’ coloca emergentes na berlinda e afeta o Brasil

Ao mesmo tempo, a retirada do programa de estímulos monetários do Federal Reserve (Fed, o banco central dos Estados Unidos), que diminui a oferta de dólares nos mercados globais, e a expectativa de elevação da taxa de juros norte-americana, atualmente na mínima recorde de 0,25% ao ano, também ajudaram a arrefecer o apetite de investidores por ativos de maior risco, prejudicando a entrada e saída de capital em economias mais fragilizadas, como o Brasil.

Cenário Interno – A falta de confiança de investidores estrangeiros com a economia brasileira, em meio a deterioração do cenário fiscal e a expectativa de rebaixamento do rating do país, é outro importante fator que contribuiu para o desempenho anêmico da BM&FBovespa e para a forte desvalorização do real, nesta segunda-feira. Somente em janeiro, o Brasil registrou déficit balança comercial do país de 4,057 bilhões de dólares em janeiro, após o superávit primário ficar em apenas 1,9% do Produto Interno Bruto (PIB), o pior resultado em doze anos.

“A menor liquidez nos mercados internacionais, aliada a desaceleração do crescimento da China e as expectativas de redução dos estímulos norte-americanos, acabaram trazendo a tona uma série de debilidades das economias emergentes”, afirmou o analista da XP Investimentos, William Castro Alves. “No caso do Brasil, mais nitidamente, este cenário expõe duas fragilidades. Uma delas é a questão fiscal. A outra é a credibilidade dos agentes do mercado nas nossas condições de políticas econômicas”, acrescentou.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)