Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Indústria dos EUA atinge máxima em 11 meses

De acordo com o indicador PMI, a taxa de crescimento do emprego no setor foi a maior desde março

A indústria dos Estados Unidos terminou o ano de forma positiva, crescendo em dezembro no ritmo mais rápido em onze meses, enquanto a taxa de crescimento do emprego foi a maior desde março, mostrou o Índice Gerente de Compras (PMI, na sigla em inglês) divulgado nesta quinta-feira.

O PMI do instituto Markit subiu para 55,0 no mês passado, superando a leitura de 54,7 em novembro e a estimativa inicial de dezembro de 54,4. Valores acima de 50 indicam expansão.

O sólido crescimento na produção, cujo índice atingiu a máxima em 21 meses de 57,5 ante 57,4 em novembro, impulsionou o crescimento no setor e aumentou a demanda por fábricas e maquinário.

Leia também:

Obama termina 2013 com popularidade em baixa e rebatendo críticas

EUA revisa para 4,1% crescimento do PIB no 3º trimestre

Governo dos EUA pode entrar em calote em março, aponta Tesouro

“Isso nos diz que os gastos empresariais estão ganhando fôlego na esteira da melhora na confiança, somando-se à sensação de que a recuperação está (se tornando) mais autossustentável”, afirmou o economista-chefe do Markit, Chris Williamson.

O ritmo de contratações acelerou, com o sub-índice de emprego avançando para 54,0, melhor leitura em nove meses, ante 52,3 em novembro. Williamson disse que o índice sugere que postos de trabalho em manufatura estão sendo gerados num ritmo de cerca de 20 mil por mês.

Sinais de força nos setores de manufatura e serviços, além de crescimento mais forte do emprego ao longo da economia, contribuíram para a decisão do Federal Reserve (Fed, o banco central dos EUA), de dar início à redução nas compras de títulos. Esse programa, que o Fed iniciou há 15 meses, tem o objetivo de manter baixas as taxas de juros e promover contratações e crescimento.

(com agência Reuters)