Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Ilan decide não ficar na presidência do BC após posse de Bolsonaro

Equipe de transição avalia agora os nomes do diretor de política econômica do BC, Carlos Viana de Carvalho, e do diretor do Santander, Roberto Campos Neto

O presidente do Banco Central, Ilan Goldfajn, não vai permanecer no comando da autoridade monetária no governo Jair Bolsonaro, segundo o jornal O Estado de S. Paulo. A interlocutores, Ilan afirmou que não aceitará o convite por motivos pessoais. O presidente do BC já teria avisado o futuro ministro da Economia do governo Bolsonaro Paulo Guedes, sobre sua decisão.

Ilan tinha a preferência de Paulo Guedes, que chegou a dizer que seria natural que ele permanecesse à frente do BC. Em outubro, Guedes disse que não havia feito o convite formal ao presidente do BC.  “Não quero convidar alguém que não tem o desejo de ficar. A motivação é fundamental.”

A equipe de transição avalia agora os nomes do diretor de política econômica do BC, Carlos Viana de Carvalho, e do diretor do Santander, Roberto Campos Neto, para ocupar o cargo. 

Campos Neto é o mais cotado no momento. Na terça-feira (13), ele esteve no Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB), em Brasília, onde a equipe de transição está trabalhando. Um integrante do futuro governo elogiou Roberto Campos Neto, dizendo que ele é um nome muito bom.

Procurada, a assessoria do Banco Central não se pronunciou. Guedes não havia sido localizado para tratar do assunto.

A equipe econômica do futuro governo disse que ‘a escolha do nome para comandar o Banco Central está em fase de definição e, assim que for confirmado, será devidamente anunciado’.

Uma das missões do novo presidente da instituição será o de convencer o Congresso a aprovar a independência formal do órgão, com a instituição de mandatos não coincidentes com os do presidente. “Não podemos estar a cada eleição falando será que ele [presidente do Banco Central] fica? Será que ele não fica? Será que ele muda? Será que ele não muda? Então, teremos um Banco Central independente”, afirmou Guedes no final de outubro.

Transição

Na semana passada, fontes da equipe de transição disseram que sua permanência no BC dependia de “motivação pessoal” e que seu nome não estava descartado. Até então, não havia confirmação sobre um convite formal e direto a Ilan

Guedes e o presidente eleito, Jair Bolsonaro, declararam em diversas ocasiões que tinham o desejo de manter o atual presidente do BC no cargo, mas também era de conhecimento público que eles chegaram a trabalhar com cinco opções para substituí-lo.

O que se dizia em Brasília é que a permanência de Ilan no cargo em 2019 dependia da aprovação do projeto de autonomia do Banco Central, atualmente em tramitação na Câmara. O principal ponto da proposta é a definição de mandatos fixos para os dirigentes do BC a partir de março de 2020. 

Ilan voltou na segunda-feira de uma viagem à Suíça, cumpriu agenda até ontem no Brasil e agora vai tirar férias até o dia 20 de novembro. 

(Com Estadão Conteúdo)