Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Ibovespa será listado na Índia, África, Rússia e HK

Por Da Redação 12 out 2011, 13h30

Por Sabrina Valle

Rio – O presidente da BM&FBovespa, Edemir Pinto, afirmou hoje, em teleconferência transmitida da África do Sul, que o índice Ibovespa será listado nos países dos chamados “Brics”, incluindo Hong Kong, Índia, África do Sul e Rússia. Da mesma forma, segundo ele, índices destes países serão negociados no Brasil. O primeiro passo será com produtos de futuro e opções, sempre em moeda local. “O Ibovespa será negociado como produto de prateleira nessas bolsas”, disse.

Desta forma, Pinto acredita que o investidor brasileiro terá uma possibilidade estratégica de investimento para suas carteiras, com acesso a produtos de outros países.

A primeira fase inclui os índices já existentes. Posteriormente, poderão ser criados ETFs e futuros sobre índices.

A iniciativa reúne a BM&FBovespa, a Micex russa, a National Stock Exchange of India, da Índia (NSE), a Hong Kong Exchange como o representante Chinês inicial, e a Johannesburg Stock Exchange (JSE), da África do Sul. A NSE e a BSE Ltd. (ex-Bombay Stock Exchange) já assinaram cartas de apoio e vão aderir à aliança após a finalização de algumas pendências.

Continua após a publicidade

“Os Brics vivem um momento econômico muito especial e diferenciado, exatamente o oposto das economias avançadas”, afirmou.

A previsão é de lançamento para o primeiro semestre, dependendo ainda da aprovação de reguladores de cada país. Na melhor das hipóteses, segundo ele, sairá em meados do primeiro semestre, e na pior, no final do semestre.

No Brasil, será necessária aprovação da Comissão de Valores Mobiliários (CVM) e do Banco Central, mas Pinto considera “perto de zero” a possibilidade de entraves.

Pequeno investidor

Edemir afirmou que ficará a cargo dos reguladores brasileiros a decisão de permitir o investimento em índices de países em desenvolvimento por parte de pequenos investidores. Edemir Pinto defende que não haja restrição. Ou seja, que o pequeno investidor brasileiro possa investir nos principais índices de Rússia, Hong Kong, África do Sul e Índia, equivalentes ao Ibovespa brasileiro. A proposta da bolsa será feita inicialmente à Comissão de Valores Mobiliários (CVM).

“Não vemos dificuldade para o pequeno, mas a decisão ficará a cargo do regulador”, disse, em teleconferência na África do Sul. “Eu não gostaria que tivesse (restrição para pequeno investidor)”. Parte das bolsas ainda está decidindo quais os índices que entrarão.

Continua após a publicidade

Publicidade