Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Guedes afirma que há obrigação de vacinação em massa nos próximos meses

Segundo ministro da Economia, imunização pode evitar a "crueldade do dilema" de ficar em casa ou sair para trabalhar, principalmente entre os mais probres

Por Larissa Quintino Atualizado em 22 mar 2021, 18h49 - Publicado em 22 mar 2021, 16h11

O ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou que a nova onda de Covid-19 que vem afetando o país já mostra efeitos na atividade da economia. Ao divulgar os dados de arrecadação do início do ano, que teve o melhor bimestre em 20 anos, Guedes afirmou que a Receita Federal já verifica queda na arrecadação após a primeira semana de março e acredita que o movimento deve continuar em abril. “Há uma necessidade de vacinação em massa”, disse o ministro, reforçando a importância da imunização para a preservação de vidas e volta da economia.

Guedes avalia que a crise trazida pela Covid afeta principalmente os trabalhadores informais e que há, hoje, uma “crueldade no dilema” entre ficar em casa ou voltar ao trabalho e, por isso, é necessário vacinar para que as pessoas possam voltar ao trabalho em segurança. O setor formal, na avaliação do Ministério tem se comportado bem, com o recorde de arrecadação de tributos e também na geração de empregos formais. Porém, o mesmo movimento não é visto em trabalhadores informais, mais vulneráveis, justamente o público alvo do auxílio emergencial.

“Temos que evitar a crueldade do dilema, ou fica em casa com dificuldade para manter ou sair para trabalhar e correr o risco de se contaminar. A vacinação é fundamental para a sobrevivência e para o retorno seguro ao trabalho”, afirmou.  “O setor organizado tá se recompondo, ele tem protocolos de preservação da saúde. Mas as camadas mais frágeis, eles querem trabalhar, pedem para trabalhar”.

Segundo o ministro, a reedição do auxílio emergencial, que começa a ser pago em abril ajuda na subsistência no período mais agudo da crisa, mas é preciso que seja combinada com a vacinação, considerada uma medida de proteção. “Temos a obrigação de vacinar nos próximos três, quatro meses para um retorno seguro ao trabalho”, completou.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)