Clique e assine a partir de 9,90/mês

Governo recua de reter FGTS para poupar seguro-desemprego

Na semana passada, Meirelles admitiu que existia esse estudo dentro do governo, mas que a discussão ainda estava em estágio embrionário

Por Da redação - Atualizado em 3 jul 2017, 10h25 - Publicado em 26 jun 2017, 17h54

Após repercussão negativa, o governo desistiu de levar adiante o estudo que previa reter o pagamento do FGTS para poupar com o seguro-desemprego. O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, afirmou hoje que o uso do FGTS para pagamento do seguro-desemprego não se justifica.

“À primeira vista, a avaliação preliminar é que não se justifica de fato essa medida nesse momento”, afirmou Meirelles após encontro com o presidente do Tribunal de Contas da União (TCU), ministro Raimundo Carreiro.

Na semana passada, Meirelles admitiu que existia esse estudo dentro do governo, mas que a discussão ainda estava em estágio embrionário. “Não é proposta que chegou para ser aprovada ou não. Ela nem chegou ao nível ministerial”, disse ele hoje.

O estudo do governo previa o parcelamento do saldo do FGTS em até três meses. Se ao final deste período o trabalhador não tivesse conseguido arrumar novo emprego, poderia sacar a totalidade do fundo. Nestes três meses, em vez de receber o seguro-desemprego, o demitido ficaria com a parcela do FGTS. O objetivo seria poupar com o pagamento do seguro-desemprego, que utiliza recursos do Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT) e está deficitário.

Continua após a publicidade

Na sexta-feira, ele disse que a proposta ainda não havia sido apresentada ao alto escalão da equipe econômica com números e objetividade.

Nesta tarde, o ministro afirmou que a avaliação de que a medida não se justifica veio após conversa com o ministro do Planejamento, Dyogo Oliveira.

Hoje, os trabalhadores demitidos sem justa causa podem sacar 100% dos recursos depositados no FGTS assim que dão baixa na carteira. Em seguida, podem entrar com pedido para receber o seguro-desemprego.

O valor do seguro-desemprego e a quantidade de parcelas a serem depositadas varia de acordo com o último salário e tempo trabalhado. São pagas até cinco parcelas de até 1.643,72 reais.

Continua após a publicidade

Para o presidente da Câmara Brasileira da Indústria da Construção Civil (CBIC ), José Carlos Martins, sse estudo evidencia a má gestão do FAT. “O governo quer usar o dinheiro do FGTS, que é bem gerido, para consertar a má gestão do FAT.”

A Força Sindicou chamou a proposta de confisco. Rodolfo Torelly, representante da Força Sindical no grupo Técnico do FGTS, disse que  medida não cobriria o rombo do FAT. “Com essa medida, o governo vai retardar o saque do seguro e gerar um gap de vantagem de 7 a 8 bilhões de reais. É uma vantagem apenas em um primeiro momento, porque depois os pagamentos e gastos entram em um fluxo que se torna normal.”

Reformas

Questionado ainda sobre a reforma trabalhista, Meirelles reiterou expectativa de que a matéria será aprovada na Comissão de Constituição e Justiça do Senado.

Continua após a publicidade

O ministro também afirmou a jornalistas que o governo está trabalhando para implantar o mais rapidamente possível o projeto de recuperação fiscal do Rio de Janeiro.

(Com Reuters)

Publicidade