Clique e assine a partir de 9,90/mês

Federação de petroleiros recomenda suspensão da greve

Sindicatos e federações recuam depois que o TST aumentou multa diária para R$ 2 milhões caso mantenham as paralisações

Por Redação - 31 maio 2018, 10h37

A Federação Única dos Petroleiros (FUP) orientou os sindicatos da categoria a suspender a greve depois que o Tribunal Superior do Trabalho (TST) decidiu aumentar para 2 milhões de reais a multa diária a ser paga pelas entidades sindicais dos petroleiros, em razão do descumprimento de uma ordem judicial que os obrigava a se abster de paralisar suas atividades por 72h a partir de quarta-feira, 30.

De acordo com nota publicada no site da entidade, trata-se de “um recuo momentâneo e necessário para a construção da greve por tempo indeterminado, que foi aprovada nacionalmente pela categoria”.

A federação criticou o entendimento do tribunal de considerar a greve ilegal e de aumentar a multa diária. “A decisão do TST é claramente para criminalizar e inviabilizar os movimentos sociais e sindicais”, disse a entidade. “Essa grave violação dos direitos sindicais será amplamente denunciada”, complementou.

“Os petroleiros saem da greve de cabeça erguida, pois cumpriram um capítulo importante dessa luta, ao desmascarar os interesses privados e internacionais que pautam a gestão da Petrobras”, finaliza a FUP.

Continua após a publicidade

O TST declarou a greve da categoria ilegal por considerar que a causa era de “natureza político-ideológica”. O tribunal estipulou multa de 500 mil reais em caso de descumprimento da ordem. Com o descumprimento da decisão, o TST aumentou a multa para 2 milhões de reais nesta quarta-feira.

 

Publicidade