Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Fed faz pausa na elevação de juros, mas alerta para novos aumentos

Banco central norte-americano mantém o referencial em uma faixa de 5% a 5,25%

Por Luana Zanobia
Atualizado em 14 jun 2023, 16h05 - Publicado em 14 jun 2023, 15h34

O banco central norte-americano, o Federal Reserve (Fed), decidiu interromper – pelo menos nessa reunião – o ciclo de aumento dos juros, mantendo o referencial em uma faixa de 5% a 5,25%. Apesar da pausa, o Fed anunciou que é provável que haja mais dois aumentos de juros este ano.

Essa medida vem como uma tentativa de avaliar os efeitos dos 10 aumentos anteriores, enquanto a instituição busca maneiras de combater a crise inflacionária. Ainda que a inflação anual esteja registrando 4%, o dobro do objetivo do Fed, ela vem desacelerando e atingiu o menor patamar desde março de 2021, especialmente na categoria de habitação, o que deu segurança para o Fed fazer essa trégua no aperto monetário. 

Os mercados anteciparam amplamente o movimento do Fed em razão de comentários de autoridades proeminentes, como o próprio presidente do banco, Jerome Powell, e o vice-presidente, Philip Jefferson. “Manter a meta estável nesta reunião permite que o comitê avalie informações adicionais e suas implicações para a política monetária”, diz o Fed em comunicado.  O comitê explica que está avaliando o nível necessário de endurecimento da política monetária para trazer a convergência de volta a 2%, considerando fatores como o impacto cumulativo de tais políticas e os atrasos na forma como alcançaram a economia. Essa posição já era esperada, dado que o Fed já vinha mostrando preocupação com o efeito tardio dos juros na economia e o impacto do crédito bancário.

Apesar da decisão, o Fed ressaltou que está “preparado para ajustar a orientação da política monetária conforme apropriado caso surgissem riscos que pudessem impedir o alcance de suas metas”. As avaliações do comitê levarão em conta uma ampla gama de informações, incluindo leituras sobre as condições do mercado de trabalho, pressões inflacionárias e expectativas de inflação, além de desenvolvimentos financeiros e internacionais.

“Novas projeções mostram que os membros do comitê são a favor de um aumento de meio ponto adicional este ano, o que elevaria os custos dos empréstimos para cerca de 5,6%, mais do que a maioria dos economistas e investidores esperava”, avalia Gustavo Zuquim, gestor de portfólios do Andbank em Miami. Segundo o gestor, o banco está otimista com a economia dos EUA, que tem se expandido em um ritmo modesto, com ganhos sólidos de empregos e uma taxa de desemprego baixa. No entanto, a inflação continua sendo um ponto de preocupação, sendo descrita como “elevada” pelo Fed. “Isso indica que o banco central está monitorando de perto os níveis de tolerância e, por isso, há indicativos favoráveis para novos aumentos nas próximas reuniões.”

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.