Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Fecomercio:PIB zero é passado: varejo cresce 5% em 2012

SÃO PAULO, 7 Dez (Reuters) – O desaquecimento da economia doméstica ficou para trás e pelo menos pelo lado do consumo a atividade deve ser forte neste final de ano, prenunciando um ano positivo em 2012, segundo a Fecomercio.

“Os números do PIB divulgados ontem (terça-feira) mostram a realidade até setembro, mas estão levando a conclusões precipitadas”, disse a jornalistas nesta quarta-feira o diretor-executivo da entidade, Antonio Carlos Borges.

Segundo a Fecomercio, as vendas neste mês no país devem somar 122,4 bilhões de reais, aumento real de 6 por cento sobre dezembro de 2010, já incluindo os efeitos das medidas anunciadas pelo governo para incentivar o consumo.

Com base num cenário de contínua expansão da renda das famílias e manutenção dos níveis de desemprego, aumento do salário mínimo e efeitos do recente ciclo de queda da Selic, a Fecomercio prevê que as vendas no comercio varejista no Brasil crescerão 5 por cento em 2012, já descontada a inflação, para 1,27 trilhão de reais.

Na terça-feira, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgou que o PIB teve crescimento zero de julho a setembro na comparação com os três meses anteriores, e o consumo das famílias teve a primeira queda em quase três anos.

Para Borges, esses números refletiram a combinação de alta dos juros no começo do ano e medidas macroprudenciais para arrefecer a expansão do crédito no fim de 2010, ambas iniciativas consideradas desnecessárias pela Fecomercio.

“Agora temos um cenário oposto, com queda dos juros, que deve ter efeito mais à frente”, disse. “A diferença é que o ano que vem deve começar devagar e acelerar no segundo semestre”, ponderou.

Segundo ele, os eventuais desdobramentos da crise europeia sobre a economia doméstica devem ser moderados, atingindo o Brasil apenas pelo canal das exportações.

Para a Fecomercio, em São Paulo um elemento que contribui para o cenário positivo para o próximo ano é a queda na inadimplência. A pesquisa da entidade apontou que em novembro o número de famílias com contas atrasadas foi de 8 por cento, o menor nível desde fevereiro de 2004.

Mas no mês passado, o Banco Central informou que a inadimplência do sistema financeiro subiu para 5,5 por cento em outubro, para o maior nível em quase dois anos. Para a Fecomercio, a diferença entre os índices é momentânea e a tendência dos calotes é de queda.

(Por Aluísio Alves)