Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Dolly fecha fábrica e demite 700 funcionários após bloqueio de contas

De acordo com o Ministério Público, companhia pagou menos contribuições previdenciárias do que deveria entre os anos de 1999 e 2001

Por Redação Atualizado em 19 jun 2018, 19h19 - Publicado em 18 jun 2018, 19h34

A fabricante de refrigerantes Dolly informou nesta segunda-feira que fechou a unidade de Tatuí (SP) e demitiu 700 funcionários. A medida foi tomada após o bloqueio das contas bancárias da companhia, acusada de sonegar 4 bilhões de reais em impostos. A empresa possui mais duas fábricas, em São Bernardo e Diadema, que continuam funcionando normalmente.

O dono da Dolly, Laerte Codonho, chegou a ser preso em maio durante operação da polícia e Ministério Público contra sonegação fiscal. Na ocasião, ele culpou a Coca-Cola pela sua detenção num recado escrito em folha de sulfite.

Laerte Codonho, um dos sócios da companhia de refrigerantes Dolly, foi preso em sua casa, em Cotia
O empresário Laerte Codonho, um dos sócios da companhia de refrigerantes Dolly, foi preso em sua casa, em Cotia – 10/05/2018 Danilo Verpa/Folhapress

Em entrevista à Folha de S.Paulo, Codonho afirmou que não consegue pagar funcionários nem impostos com a conta bloqueada. Disse também que não consegue vender para grandes redes varejistas, pois elas fazem o pagamento com depósito em conta.

Continua após a publicidade

De acordo com o Ministério Público, a Ragi Refrigerantes – nome oficial da Dolly – pagou menos contribuições previdenciárias e sociais do que deveria entre os anos de 1999 e 2001. Os recursos faltantes eram destinados a programas que financiam o Incra, Senai, Sesi, Sebrae e Fundo Nacional para o Desenvolvimento da Educação (FNDE).

O caso veio à tona após o INSS – órgão federal responsável pela arrecadação previdenciária – notar queda nos valores pagos pela empresa nesse período. O órgão público fez uma fiscalização e acusou a empresa de fraude.

O juiz federal Márcio Martins de Oliveira, responsável pela sentença, considerou que a dona da Dolly simulou os contratos. A empresa também cometeu outras irregularidades, como a não emissão de notas fiscais, folhas de pagamento e recibos de prestação de serviço.

Na ocasião, a empresa informou que a prisão era injusta. “Laerte Codonho sempre colaborou com as autoridades e tem certeza que provará sua inocência. A defesa recorrerá da decisão e confia na Justiça.”

 

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês