Clique e Assine a partir de R$ 7,90/mês

Dólar cai pelo segundo dia consecutivo e encerra a R$ 2,27

Moeda norte-americana recua após intervenção do Banco Central e fecha a semana com perda de 0,31%. Ibovespa ultrapassa os 50 mil pontos

Por Da Redação 9 ago 2013, 19h30

Após uma tarde de fluxo reduzido, o dólar se manteve em queda com relação ao real pelo segundo dia consecutivo. A moeda norte-americana encerrou a sessão a 2,272 reais, com baixa de 0,53%, enfraquecida tanto por fatores externos como pela atuação do Banco Central.

A autoridade monetária interveio no mercado durante a manhã por meio de um leilão de swap cambial (equivalente à venda de dólares no mercado futuro). Na semana, a divisa acumulou queda de 0,31%. “O mercado nesta tarde foi tranquilo, os agentes aproveitaram para concentrar operações durante a manhã, que é realmente quando há mais fluxo”, comentou Luiz Carlos Baldan, diretor da Fourtrade. Na máxima do dia, por volta das 10 horas, o dólar alcançou 2,2830 reais e, na mínima, bateu os 2,2660, pouco depois da divulgação de dados de queda dos estoques no atacado de produtos nos Estados Unidos.

A trajetória de desvalorização do dólar foi determinada logo cedo, com a divulgação de dados favoráveis da economia chinesa. O resultado foi o enfraquecimento da moeda americana diante das divisas de países dependentes da exportação de commodities, como o Brasil. O BC, então, aproveitou para fazer um leilão, numa estratégia que tem sido utilizada para segurar o dólar em baixa. A autoridade monetária vendeu o lote integral de 20 mil contratos, equivalente a 993,9 milhões de dólares.

Leia ainda:

Dólar cai nesta sexta-feira com intervenção do BC

Sistema financeiro tem regulação rigorosa, diz Tombini

O volume de negociações permaneceu reduzido, ficando em 1,31 bilhão de dólares, abaixo da média diária de julho, de 1,7 bilhão de dólares. “Lá fora as notícias vieram boas, mas o que mais influenciou a moeda foi a questão de o BC já ter entrado no mercado ontem e ter voltado a entrar hoje”, disse o economista-chefe do Espírito Santo Investment Bank, Jankiel Santos.

Continua após a publicidade

Bolsas – A BM&FBovespa operou na contramão de Wall Street e teve uma sexta-feira de ganho firme, sustentada pela compra dos estrangeiros, que buscaram novamente ações da Vale. Os indicadores chineses também garantiram valorização às commodities, empurrando o Ibovespa para o nível de 50 mil pontos, durante os negócios, em alta de 1,93%. Dados preliminares indicam que o giro financeiro foi de 7,985 bilhões de reais.

Nos Estados Unidos, os mercados acionários fecharam no vermelho. O índice Dow Jones caiu 0,48%, chegando a 15,425.51 pontos, e o Nasdaq teve queda de 0,25%, fechando em 3,660.11 pontos. O S&P 500 caiu 0,36% e encerrou em 1,691.42 pontos.

Leia também:

Produção industrial da China cresce 9,7% em julho

Bovespa sobe 3,12% e tem maior alta desde março

(com agência Reuters e Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade

Publicidade