Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Dilma aprova a construção do Nasp — o 3º aeroporto de SP

Segundo a presidente Dilma Rousseff, o projeto inicial prevê que ele seja instalado no município de Caieiras

A presidente Dilma retomou, nesta quarta-feira, o assunto sobre o terceiro aeroporto da região metropolitana de São Paulo, localizado em Caieiras, cerca de 25 quilômetros da capital paulista. A expectativa sobre a construção do aeroporto já foi divulgada pelo site de VEJA em 2011. Em café da manhã com jornalistas, a presidente disse que o governo liberará a questão do aeroporto rapidamente, mas que não sabe ainda a data. “Tudo isso aponta no sentido de uma modernização muito grande da infraestrutura do país.” Atualmente, São Paulo tem os aeroportos de Congonhas e Guarulhos.

O projeto, elaborado pelas construtoras Camargo Corrêa e Andrade Gutierrez em 2008, prevê a construção de um aeroporto privado na região para responder ao forte crescimento da demanda aérea. Os empresários reclamam que o governo está adiando há mais de um ano a autorização do projeto.

Leia mais:

BNDES aprova empréstimos de R$ 4,2 bi para aeroportos

Aeroportos da Infraero terão novas regras comerciais

No encontro, Dilma também comentou que o governo também está interessado em construir uma “Infraero de serviços”, que faria investimentos em aeroportos. “Queremos fazer uma associação, não no sentido do patrimônio, porque não é esse o interesse das empresas, mas no sentido de contratar um grande administrador de aeroportos para nos auxiliar e dar um salto na gestão”, contou a presidente.

No ano que vem, o governo quer modernizar aeroportos menores. A Secretaria da Aviação Civil (SAC) já contratou o Banco do Brasil, que está preparando um estudo sobre todos os aeroportos no país. “Nós vamos licitar pátio, pista e terminal de vários pequenos aeroportos. Como são muitos, nós dividimos em algumas etapas. Mas isso vai mudar também a estrutura regional dos aeroportos. Eles não têm rentabilidade para serem privatizados. É, necessariamente, investimento público”, insistiu Dilma.

(com Estadão Conteúdo)