De Dilma para Dilma: uma herança que pode se tornar uma bomba

Inflação alta, crescimento baixo e fragilidade fiscal são apenas algumas das distorções que a presidente provocou na economia e que agora terá que corrigir

Por Luís Lima - 27 out 2014, 07h04

Reeleita, com 51,64% da preferência do eleitorado, a presidente Dilma Rousseff (PT) terá de encarar, diante do espelho, o fato de que quatro anos de políticas equivocadas levaram a um quadro de deterioração econômica. No segundo mandato, ela terá uma chance de transformar sua herança, marcada por atividade fraca, inflação alta e artimanhas fiscais, numa agenda de retomada do crescimento. Os desafios são muitos, e vão desde o reestabelecimento do equilíbrio das contas públicas, passando pela inversão do déficit nas transações correntes até chegar no alinhamento entre políticas monetária e fiscal. A estagnação dos indicadores de desigualdade social torna ainda mais urgente a correção dos deslizes.

O problema é que a presidente, até agora, não sinalizou que mudará sua conduta e, mais uma vez vitoriosa, pode entender que teve a chancela do povo brasileiro para seguir adiante com sua estratégia de priorizar a demanda, ou seja, o consumo, em detrimento da oferta. Ainda que ela defenda a bandeira do “governo novo, ideias novas”, não há solução mágica: trocar o comando do Ministério da Fazenda não a absolve dos erros cometidos anteriormente, tampouco implica em mudanças automáticas. “Dilma não acredita que a economia parou de crescer em razão de suas políticas mal concebidas, do discurso intervencionista, da visão que de que o Estado é quem deve ser o principal condutor do crescimento. A presidente também não acha que temos um problema fiscal em gestação com o uso desgovernado do crédito público”, diz a economista Mônica de Bolle, sócia-diretora da Galanto Consultoria.

Leia mais:

Pacote de incentivos deixará conta de R$ 30 bi para próximo governo

Publicidade

Preços administrados estão entre vilões da inflação

Tirar Mantega da Fazenda não significa reconhecer erros

Governo atrasa 9 das 11 obras prioritárias do PAC

O Brasil de 2015 será um país bem diferente do que Dilma recebeu em 2011 – fragilizado economicamente e rachado no campo político. Completado o primeiro ciclo de Dilma no poder, o Brasil deve exibir crescimento médiode 2%, metade do que avançou no período Lula. “A economia cresceu perto de zero no primeiro semestre de 2014, em um cenário de recessão técnica (dois resultados negativos trimestrais de PIB). Em termos comparativos, a média de avanço do governo Dilma representa um terço da taxa de crescimento de seus pares emergentes”, destaca Felipe Salto, economista da Tendências Consultoria. Além do mais, desta vez pode não haver crise hídrica ou externa às quais se possa atribuir a culpa pela desaceleração da atividade. Na verdade, quem dita o atraso é a estratégia até o momento mal-ajambrada da presidente. Como reflexo do baixo nível da atividade, Dilma deixa de presente grande parte das obras prioritárias do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) atrasadas, como a transposição do rio São Francisco e a refinaria de Abreu e Lima – esta última, inclusive, investigada como objeto de superfaturamento, conforme aponta o Tribunal de Contas da União (TCU).

Publicidade

Diante deste cenário nada animador, não resta dúvida de que 2015 será um período de ajustes. O que está em aberto é a velocidade do acerto. “Fazer ajustes fiscais vai ajudar o Brasil a crescer, e não o contrário. É por meio desse processo que o próximo governante vai desfazer distorções provocadas por políticas equivocadas, a fim de retomar o caminho do equilíbrio econômico”, diz Zeina Latif, sócia da Gibraltar Consulting. Para afastar o fantasma do rebaixamento, imposto pelas agências de classificação de risco, a economista ainda sugere uma avaliação minuciosa de todas as benesses fiscais concedidas durante o governo, como desonerações de impostos apenas para alguns setores. “Questiono-me se o avanço da agenda de desonerações foi positivo e melhor do que se adotássemos medidas horizontais e cautelosas”, diz Zeina. Tal ajuste terá de passar por uma maior contenção de gastos de custeio, como despesas e terceirizações. “O mais triste é que esse tipo de medida afeta, diretamente, a parcela mais pobre da população”, lembra Evaldo Alves, economista da Fundação Getúlio Vargas (FGV).

​Na pauta do próximo governo, também está a liberação de preços administrados, como gasolina, transporte e energia, que foram segurados este ano para não arranhar ainda mais a já tão debilitada credibilidade da presidente. Economistas consultados pelo site de VEJA não descartam a possibilidade de que o Índice de Preços ao Produtor Amplo (IPCA), que já ultrapassa o teto da meta do Banco Central (BC), de 6,5%, encoste na casa dos 7%, mesmo que isso venha acompanhado de uma queda do preços de commodities no mercado externo. Também será tarefa do próximo governante solucionar a crise energética que impôs novamente à população o risco de racionamento, com reservatórios em níveis mínimos, distribuidoras desabastecidas e térmicas a pleno vapor. A lista não para por aí. O site de VEJA preparou uma relação de alguns dos principais pontos do legado que Dilma deixou para ninguém mais do que si mesma.

Publicidade