Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Copom sinaliza que Selic pode cair abaixo de 7%

Autoridade monetária indica em ata redução menor na taxa de juros para a próxima reunião, mas deixa em aberto possibilidade de novos cortes

Por Da redação Atualizado em 31 out 2017, 10h47 - Publicado em 31 out 2017, 10h39

O Comitê de Política Monetária (Copom) sinalizou que deve reduzir o ritmo de cortes na Selic a partir da próxima reunião, em dezembro, e deixou em aberto a possibilidade de reduzir os juros a níveis menores que o esperado pelo mercado (7%). As informações são da ata da última reunião, divulgada nesta terça-feira.

Na quarta-feira da última semana, o Copom reduziu o ritmo de cortes a 0,75 ponto porcentual (ante 1 p.p. nos quatro encontros anteriores), levando a Selic a 7,50%.

O comunicado do órgão do Banco Central publicado nesta terça reforça a aposta dos analistas do mercado de que o próximo corte será menor, de 0,50%. A ata diz que após debates sobre os próximo passos, os membros do comitê concluíram que, caso a economia se comporte como o esperado “uma redução moderada na magnitude de flexibilização na próxima reunião permanece adaquada sob a perspectiva atual”, diz trecho da nota.

Caso a estimativa que consta no último Boletim Focus se confirme, a taxa de juros chegará em 7,00% no dia 6 de dezembro. Será a menor da história desde que o BC passou a usar o sistema de metas, em 1999.

A taxa Selic

A Selic é a taxa usada como referência para definir os juros pagos em diversos contratos do sistema financeiro, de empréstimos para a compra de imóveis a cartões de crédito. Ela é definida em reuniões do Comitê de Política Monetária (Copom), que é parte do Banco Central, em reuniões que ocorrem a cada 45 dias. O BC altera a taxa básica de juros para controlar a inflação, por meio da influência que a Selic têm na oferta de dinheiro disponível no mercado.

Esse é o patamar previsto pelos economistas para o encerramento de 2018. Mas o Copom deixou em aberto a possibilidade de reduzir ainda mais os juros. “Houve consenso em manter liberdade de ação e adiar qualquer sinalização sobre as decisões futuras de política monetária, de forma a incorporar novas informações sobre a evolução do cenário básico e do balanço de riscos”, escreve a instituição.

O ciclo de cortes dos juros começou em outubro de 2016, e a autoridade monetária tem se beneficiado da inflação baixa para reduzir a Selic. O Copom também tem indicado que, devido à economia estar em ritmo fraco, é necessário manter os juros em níveis mais baixos, para estimular a atividade.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)