Clique e assine a partir de 8,90/mês

Como a pandemia amplia a crise da desigualdade social no Brasil e no mundo

A calamidade econômica fez do tema o assunto do dia. É o momento de tomar medidas que acabem de vez com a visão de que esse mal não tem cura

Por Ernesto Neves, Machado da Costa - Atualizado em 20 jul 2020, 18h56 - Publicado em 17 jul 2020, 06h00

A pandemia que desligou o motor do planeta durante meses proporcionou uma visão sem precedente da chaga da desigualdade, doença social com a qual a humanidade convive, em vergonhosa desatenção, há séculos. Cada vez mais, no entanto, pesquisas e estudos ressaltam que a disparidade de renda não é só um problema dos pobres, a quem um dia, não se sabe quando, a prosperidade geral do país vai beneficiar. Ela é, isso sim, um freio para o crescimento, ao espremer a ampliação da classe média entre bilionários, de um lado, e miseráveis, do outro, e impedir uma multidão de acessar os bens e serviços que movem o progresso. Conseguir que as distorções retrocedam é tarefa difícil, que não se resolve com uma bala de prata, mas necessária. E o momento, por mais paradoxal que pareça, pode ser apropriado. Na história da humanidade, são justamente as sociedades no fundo do poço econômico, muitas vezes em decorrência de uma calamidade, que costumam ser bem-sucedidas nesse esforço.

ENTREVISTA: ‘O milionário deve retribuir’, diz Thomas Piketty

O maior salto na distribuição igualitária de renda nos tempos modernos ocorreu exatamente quando a II Guerra Mundial acabou e o mundo, sem outra saída, recolheu de quem tinha para reerguer quem não tinha. Agora, diante da necessidade de recompor a terra arrasada pelo novo coronavírus, enxerga-se nova chance de arrumar a casa e reduzir a distância entre quem vive dentro das paredes simétricas e coloridas que enfeitam Copenhague, a capital da Dinamarca, e quem se aperta em um único cômodo nos casebres da favela Santa Marta, no Rio de Janeiro. “A crise decorrente da pandemia reforçou a necessidade urgente de criarmos estratégias para que o capital seja injetado em projetos que reduzam a desigualdade social”, diz o economista Armínio Fraga, ex-­presidente do Banco Central.

DESIGUAL - Barracos no Morro Santa Marta, o retrato brasileiro: país onde muitos têm pouco e poucos têm muito. Ratao Diniz/Getty Images

Firme e forte nas sociedades desde os primórdios da civilização, a desigualdade, de tão enraizada, ganhou um escaninho determinista, de mal sem cura. “Cada sociedade, a seu tempo, desenvolveu um conjunto de valores para justificar as distorções”, disse a VEJA o economista francês Thomas Piketty, autor do best-seller O Capital no Século XXI, que acaba de lançar Capital e Ideologia (Ed. Intrínseca). Para Piketty (veja aqui a entrevista), “a igualdade total é indesejável e impossível de ser alcançada. Mas não há o que justifique o cenário atual, com tanta gente excluída da economia, da educação e da saúde”. Polêmico, encarado com altíssimas reservas pela ala dos economistas mais liberais, o escritor francês aponta, ao longo de portentosas 1 056 páginas, o que vê como soluções para o problema, a começar por uma acachapante sacudida no sistema de tributação. A fórmula dele não é a única, nem a mais debatida, embora impostos estejam na alma das propostas de redistribuição de renda, entre especialistas de esquerda e de direita.

ASSINE VEJA

Crise da desigualdade social: a busca pelo equilíbrio Leia nesta edição: Como a pandemia ampliou o abismo entre ricos e pobres no Brasil. E mais: entrevista exclusiva com Pazuello, ministro interino da Saúde
Clique e Assine

No Brasil, que não cresce há seis anos e ocupa a desonrosa posição de sétimo país mais desigual do mundo, o Congresso discute dois projetos de reforma tributária, enquanto aguarda um prometido terceiro, o do ministro da Economia, Paulo Guedes, que, antes mesmo de ser apresentado, já foi costurado e descosturado várias vezes. Guedes defende a criação de um clássico da distribuição de recursos, o chamado “imposto negativo”: o Estado passaria a depositar o equivalente a 20% do rendimento mensal do trabalhador de baixa renda em uma conta a ser usada em sua aposentadoria. Agora, voltou também a acenar com uma taxa sobre transações financeiras nos moldes da CPMF. Trata-se de um imposto polêmico, de péssima memória para os brasileiros, mas é um dos mais justos em termos de incidência, pois atinge todos, ricos e pobres, que de uma forma ou de outra fazem alguma operação bancária. A questão é que a classe média, de longe a mais sobrecarregada com a mordida atual do Leão, entenderia melhor o retorno dessa taxação se fosse minimamente aliviada da atual carga de impostos, sem o retorno em serviços públicos. O mesmo precisa ser feito em relação às empresas, com a desoneração da folha salarial. Pelas regras atuais, o empregador hoje é desestimulado a contratar, o que só piora ainda mais as condições de quem precisa trabalhar.

Evidentemente, o problema é complexo e tem facetas pouco conhecidas. Apesar da desigualdade abissal (veja no gráfico acima) — o 1% mais rico da população detém quase um terço da renda nacional —, o Brasil é um dos países que mais investe em transferências de renda: os gastos com proteção social, saúde e educação alcançam 17% do PIB, ante 10% em média nas nações mais ricas, do grupo do G-20. Mas essa alocação de recursos é simplesmente desastrosa. Tal qual um Robin Hood às avessas, o governo repassou em 2019 um total de 350 bilhões em subsídios para a faixa de alta renda, enquanto Bolsa Família, salário-família e abono salarial receberam, juntos, 48,5 bilhões de reais. “As distorções no Brasil atingem um grau extraordinário, tanto na receita quanto no gasto de governo”, diz Edmar Bacha, um dos economistas responsáveis pelo Plano Real, criador de um conceito clássico, a “Belíndia”, país fictício e contraditório, resultado da união de Bélgica e Índia, com leis e taxas do primeiro, pequeno e rico, e com a realidade social do segundo, imenso e pobre. Segundo Bacha, o descontrole acontece desde o período colonial, “porque quem desenhou o sistema se beneficiou dele”.

LUXO - Hangar de jatos privados: o 1% mais rico do país detém quase um terço da renda nacional. //Divulgação

O Ministério da Economia planeja unificar os benefícios federais no Renda Brasil, uma nova versão do Bolsa Família — um dos únicos mecanismos de efetiva redução da desigualdade do país. Entre 2001 e 2015, houve queda de 10% na disparidade social brasileira graças ao programa, que atende 60% da população mais pobre, mas se ressente de meios de sustentação que não sacrifiquem justamente a fatia da população mais onerada por impostos. “O PT melhorou as condições de vida dos 50% mais pobres, mas o fez às custas dos 40% que compõem a classe média, enquanto os 10% mais ricos continuam concentrando riqueza em nível extremo”, diz Piketty. Outra ideia em cogitação, no Brasil e no mundo, é a adoção de alguma forma de renda mínima universal, benefício que supre o cidadão com recursos para sua sobrevivência básica sem exigir nenhuma contrapartida. Esse tipo de transferência foi amplamente usado para compensar a súbita supressão de ganhos durante a pandemia, com bons resultados.

Continua após a publicidade

No mundo, o modelo considerado mais eficiente de combate à desigualdade é o que combina economia de mercado com benefícios sociais, implantado na Europa do pós-guerra pelos governos social-democratas. Para obter os recursos necessários para reconstruir cidades e pagar as dívidas contraídas, instituiu-se uma cobrança progressiva de impostos que chegavam a 80% da renda dos mais ricos. Uma vez aprovada, essa arrecadação financiou a universalização do ensino e saúde gratuitos e garantiu trabalho e aposentadorias na Escandinávia, o melhor exemplo do estado de bem-­estar social. Foi a experiência original da social-democracia que serviu de base para a reforma que Piketty propõe no novo livro, um “socialismo participativo” que tem como pontos principais a cogestão nas empresas, com efetiva participação dos funcionários no conselho administrativo e a taxação de até 90% sobre a renda, o patrimônio e a herança deixada por milionários. Como se vê, Piketty é bom de diagnósticos, mas delira um pouquinho quando apresenta soluções. Sobre esses pontos, Armínio Fraga é taxativo: “É lógico que o sistema precisa ser reformado, mas não se pode punir o mercado dessa forma. Afinal, ele é o mecanismo responsável pela geração de riquezas”. Em outras palavras, os empreendedores são justamente aqueles que fazem a roda girar. Se eles têm mais renda com o capital parado do que na produção, todos perdem.

Aliás, sem sombra de dúvida, um dos problemas, se não o maior, que acabam por intensificar a desigualdade, são justamente as assimetrias de acesso ao mercados de capitais. No Brasil, por exemplo, por mais de duas décadas os juros básicos da economia, representados pela taxa Selic, superaram 10% ao ano. Em alguns momentos, como nos períodos de crise em série entre 1998 e 2002, a Selic chegou a superar 40% ao ano. Não há desincentivo maior à alocação de recursos privados na atividade produtiva — afinal, por que algum investidor arriscaria seus milhões de reais se o governo oferece, quase que sem riscos, um retorno que ele terá de suar muito para ganhar trabalhando? Essa assimetria local alijou do maior fator de geração de renda do país, entre os anos 1994 e 2016, toda a classe mais baixa, pois ela não possuía condições de poupar. Com a Selic a 2,25% ao ano, algo que há até muito pouco tempo se imaginava como um sonho distante, a classe baixa continuará excluída dos ganhos que eram compartilhados pelos rentistas, mas, ao menos, poderá se beneficiar daqueles investidores que finalmente decidiram arriscar seu dinheiro por meio do empreendedorismo.

PASSO - Guedes: a reforma tributária com impostos mais justos pode reduzir disparidades e fomentar empregos. Andressa Anholete/Getty Images

Embora a bandeira seja adotada por alguns grupos de esquerda (nem sempre com honestidade), ficou claro nos últimos anos que diminuir a desigualdade é crucial, inclusive, para quem defende o livre mercado e sabe que o crescimento econômico é a resposta mais eficiente contra a miséria. O economista Tao Zhang, do Fundo Monetário Internacional (FMI), estudou o efeito do encolhimento da classe média e a consequente redução de sua renda nos últimos quinze anos e concluiu que o movimento provocou uma redução de 3,5% no consumo global. Outra pesquisa do FMI mostra que quando a parcela de renda dos 20% mais ricos aumenta, com redução nas outras faixas, o PIB sofre — nas nações da OCDE o recuo alcançou 8,5% nos últimos 25 anos.

Quanto mais pobre o país, mais fundo costuma ser o abismo entre seus cidadãos. De acordo com um relatório do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud), que utiliza como base o coeficiente de Gini, medida universal de desigualdade social, lideram a lista das nações mais díspares Namíbia, Zâmbia, República Centro-­Africana, Lesoto, Moçambique e duas exceções: a África do Sul e o Brasil, economias de bom porte, porém com fortes distorções. Ambos, aliás, países com raízes históricas ou na escravidão ou na segregação racial, que manteve os negros apartados dos mecanismos de mobilidade social durante bastante tempo. Alguns avanços vêm ocorrendo tanto lá como aqui. Tivemos recentemente uma reforma da Previdência que procurou combater os benefícios nas aposentadorias dos servidores públicos em detrimento da maioria dos brasileiros. O mesmo precisa ser feito em relação aos salários e ao tamanho do Estado. Ainda hoje, o governo consome 80% do seu Orçamento em despesas com o funcionalismo e a Previdência. O ideal, defende Armínio Fraga, era baixar esse porcentual para 60%, completando as mudanças na Previdência e enxugando o Estado. “O que eu acho venenoso para sociedade é o ganho que não vem de esforço, do mérito. As pessoas aceitam que um grande atleta ganhe muito. O que envenena é a corrupção, o lobby, a captura do Estado, o monopólio, o lucro que não vem da concorrência”, acrescenta Fraga.

TROCA - Tela de Delacroix sobre a Revolução Francesa: a riqueza dos nobres foi para a burguesia. Museu do Louvre/Divulgação

As soluções tomadas, de todo modo, precisam ser ponderadas, discutidas amplamente, sem rupturas ou medidas drásticas. Piketty lembra que mesmo a Revolução Francesa, a mais notória revolta popular contra a nobreza perdulária, resultou em um novo arranjo concentrador, com a burguesia tomando o lugar da elite na propriedade de terras e expandindo a patamares inéditos a extensão de seu patrimônio. Sem falar na confusão e no banho de sangue gerados. Problemas ancestrais não serão resolvidos num passe de mágica. Mas ignorá-los tampouco fará com que eles desapareçam. Está na hora de encararmos uma verdade: a concentração de riquezas nas mãos de poucos não pode continuar. Não da mesma forma.

VEJA RECOMENDA | Conheça a lista dos livros mais vendidos da revista e nossas indicações especiais para você.

Publicado em VEJA de 22 de julho de 2020, edição nº 2696

Continua após a publicidade
Publicidade