Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Com dólar a 5,60, Bank of America diz para estrangeiros comprarem real

Banco americano acredita que situação fiscal do Brasil não vai se deteriorar tanto como acreditam os investidores mais pessimistas

Por Machado da Costa Atualizado em 25 ago 2020, 14h32 - Publicado em 25 ago 2020, 13h16

Um dos maiores bancos do mundo sugeriu a seus clientes investidores comprarem real, a moeda brasileira. Com a cotação do dólar batendo 5,60 reais, no início da tarde desta terça-feira, 25, a indicação pode parecer ousada. Mas os analistas do Bank of America (BofA) acreditam que pode haver uma virada de mão na cotação da moeda brasileira.

Segundo o comunicado do BofA, o dólar no Brasil pode cair para 5,20 nas próximas semanas, o que garantiria um ganho substancial para estrangeiros num curto espaço de tempo. Eles explicam que o real é a moeda emergente — entre as que importam para o comércio global — que mais se desvalorizou no ano devido ao impacto econômico do novo coronavírus, alto índice de mortes totais e problemas políticos.

A virada de mão, asseguram os economistas, acontece porque os ruídos políticos diminuíram, o mercado está pessimista além do necessário com a situação fiscal — uma vez que esta é uma preocupação primária do governo e do Congresso, e ambos trabalhariam juntos para conter a piora das contas públicas — e o Banco Central dará suporte para evitar uma nova escalada do dólar. Além disso, diz que os próprios investidores brasileiros estão sobreposicionados em dólar, em níveis pré-reforma da Previdência, o que seria outro motivo para jogar na posição contrária. Uma mudança de mentalidade impulsionaria a queda do dólar em relação ao real.

“Nós acreditamos que o balanço fiscal do Brasil está em uma situação precária e é a maior preocupação dos investidores, isto foi o que mais influenciou o real nas últimas semanas”, afirma o comunicado. “Apesar da nossa preocupação com a dinâmica fiscal, nós pensamos que uma coalização do governo e o Congresso garantirá o compromisso com a prudencia fiscal de modo a evitar o descarrilhamento total.” Um dos exemplos utilizados pelo BofA foi a manutenção do veto ao aumento dos salários para funcionários públicos por parte da Câmara, na semana passada.

Apesar do otimismo do bancão americano, eles estipulam que se o dólar chegar à cotação de 5,80 reais, os investidores devem abandonar imediatamente a transação para evitar mais perdas. Na prática, isso significa que se o dólar alcançar este patamar, será difícil segurar uma desvalorização ainda maior.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)