Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Com baixo crescimento, sobe resgate de milhas de programas de fidelidade

A conversão dos pontos – a relação entre a quantidade acumulada e a resgatada – no primeiro trimestre foi a maior desde 2016

Os participantes dos principais programas de fidelidade do país resgataram 59,8 bilhões de pontos/milhas no primeiro trimestre do ano. A conversão dos pontos – a relação entre a quantidade acumulada e a resgatada – foi a maior desde abril de 2016, segundo a Associação Brasileira das Empresas do Mercado de Fidelização (Abemf).

Para o presidente da Abemf, Roberto Chade, o resgate de pontos ajuda a elevar o poder de compra de consumidor em períodos de crise. “Em momentos de baixo crescimento econômico e alguma instabilidade, como a que estamos enfrentando no Brasil, os programas de fidelidade são um importante aliado do consumidor, pois de fato aumentam seu poder de compra”, diz.

Veja também

Levantamento da entidade mostra que 74,4% dos participantes preferem trocar seus pontos por passagens aéreas. Outros 25,6% resgatam as milhas por meio da aquisição de produtos.

Entretanto, a maioria dos pontos (89,3%) é acumulada por meio de pagamentos com cartão de crédito e transações com empresas de varejo, serviços e bancos que contam com programas de fidelidade. Só 10,7% das milhas são geradas pela compra de passagens.

O ranking de destinos nacionais mais procurados pelos participantes de programas de fidelidade continua com São Paulo, Rio de Janeiro e Brasília nas três primeiras posições. Entre as viagens internacionais, Orlando, Miami e Santiago são as preferidas.

De janeiro a março, os principais programas geraram 69,5 bilhões de pontos/milhas, uma alta de 21,3% em relação ao mesmo período de 2017.

O número de cadastrados nos programas de fidelidade chegou a 115,3 milhões no fim do primeiro trimestre deste ano, um incremento de 3,1 milhões de novas inscrições.