Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Consumidor vai mudar forma de pagar compras, diz Visa

Segundo o vice-presidente da Visa, Percival Jatobá, o dinheiro em espécie não será extinto, mas novas formas de pagamento estão por vir

As novas tecnologias serão o carro-chefe da revolução digital silenciosa na indústria de pagamento. A aposta da Visa é que novas formas de pagamento, como as transações por aproximação e  compras por aplicativos de mensagem devem se proliferar a partir de 2018. Na Austrália, por exemplo, os pagamentos por aproximação já representam 42% das transações eletrônicas.

Entre as apostas para o Brasil em 2018, está o crescimento do débito na internet, com mais estabelecimentos virtuais aceitando a modalidade como forma de pagamento. Enquanto isso, as tendências mundiais prometem transformar o modo como as pessoas pagam por produtos ou serviços: uma solução da Visa, por exemplo, permite que o consumidor conclua transações ao escanear um QR code com o próprio smartphone. A possibilidade de comprar e fazer transferências por meio de aplicativos de mensagem, como o WhatsApp, também deve se tornar mais viável a partir deste ano. Com essa tecnologia, empresas vão conseguir conectar-se com consumidores, oferecendo mais suporte e informações.

Segundo o vice-presidente da Visa, Percival Jatobá, a empresa vem investindo há três ou quatro anos em um conceito chamado inovação aberta. “A inovação vem de todos os lugares e não pertence mais a um grupo seleto de empresas ou de corporações, como antes. Ela pode vir dos lugares mais desconhecidos, fragmentados e remotos do mundo. Dado que isso é uma realidade, precisamos trabalhar com o conceito de colaboração e entender que à medida que fortalecemos parcerias estratégicas, estamos criando alianças que vão nos levar mais para frente”.

Outro ponto da inovação aberta é que ela é totalmente voltada ao consumidor. “Ou criamos soluções para nossos clientes ou tem pelo menos 10 empresas na esquina desenvolvendo alguma coisa. Então, temos que apostar em todas as tecnologias, não sabemos qual delas vai prevalecer”.

Nenhuma dessas apostas vai acabar com o dinheiro em espécie, de acordo com o vice-presidente da Visa. Veja abaixo entrevista de Jatobá a VEJA:

O que é a revolução digital silenciosa, principal aposta da Visa para 2018?

Já passamos por algumas revoluções, talvez a mais recente tenha sido a revolução industrial, mas costumo dizer que estamos vivendo a era do empoderamento do cliente – a revolução do cliente, por isso usamos o termo revolução silenciosa. Hoje, o cliente tem muito claro o que ele quer: estar online, ter experiências [de compra] personalizadas, nada massificado e ele não se permite perder tempo. Todas essas características fazem com que o consumidor se sinta absolutamente empoderado. Brincamos que a revolução é silenciosa porque ela ainda não explodiu para o grande público, as tecnologias de inteligência artificial, internet das coisas e realidade aumentada ainda não se refletem na realidade do consumidor no dia a dia.

A revolução começa em 2018 ou teve início antes?

Ela começou em anos anteriores e acredito que em 2018 poderá se destacar. Toda revolução é feita de batalhas, talvez a batalha mais nobre para 2018 seja a de transações por aproximação porque, de todas as tecnologias, essa é a que talvez esteja mais próxima de emergir com força. Acreditamos que a indústria vai agarrar essa tecnologia e transformá-la em algo mais palpável para o consumidor final. Há cada vez mais interesse para que, da mesma forma que o Brasil é referência em pagamento com chips, se transforme em referência em transações por aproximação.

A tecnologia de pagamento por aproximação não representa um risco maior para a segurança do que o cartão de crédito?

Não, é até mais segura. Quando começamos a entrar no mundo digital ou a falar da digitalização dos meios de pagamento, temos que criar um protocolo de segurança chamada tokenização. Desenvolvemos esse protocolo para garantir a segurança absoluta das transações. Funciona da seguinte forma: ele “mascara” os dados sensíveis a algum tipo de clonagem ou captura ilícita, embaralha as informações de tal maneira que se os dados forem capturados durante o processo de compra, o hacker não vai conseguir fazer nada. Eu ousaria dizer que o pagamento por aproximação é tão seguro ou mais do que o cartão de crédito.

O dinheiro em cédula se tornará coisa do passado?

Temos uma teoria sobre a desconstrução do plástico. As pessoas sempre me perguntam quando o cartão de plástico vai acabar, mas a forma como vemos essa discussão é diferente. Não acreditamos que o cartão de crédito vai acabar nem o dinheiro. Não acredito que a cédula vai acabar, até porque no Brasil o dinheiro em espécie é protegido pela Constituição. Independentemente disso, acredito que as pessoas são fruto de seus hábitos. Dentro dos meus hábitos, por exemplo, está inserido o de pagamento e estou confortável em utilizar o cartão de crédito, que me atende perfeitamente. Eu tenho filhos e eles acham a coisa mais antiquada do mundo usar o cartão, então usam as pulseiras por aproximação. A desconstrução do cartão ou de outras formas de pagamento não é simplesmente tecnológica, é muito mais cultural do que simplesmente tecnológica.

O dinheiro vai continuar existindo, o cartão de crédito também, pelo menos pela próxima geração. Mas novas formas de pagamento, como por aproximação, vão começar a ser introduzidas no mercado e os consumidores terão o direito a escolher qual a que melhor lhe convém.”

Percival Jatobá, vice-presidente da Visa

Quem são os consumidores que vão apostar em formas de pagamento inovadoras?

O brasileiro é, sem sombra de dúvidas, uma pessoa aberta à inovação. Entretanto, a gente consegue claramente perceber que as novas gerações têm agora se posicionado, dado a esse empoderamento, com muito mais protagonismo, então as gerações Millenium e Z, que é a próxima, vêm se transformando em um forte catalizador nesse processo. Essas gerações vão fazer com que as inovações massifiquem de forma muito mais rápida do que as outras gerações.

Por que o débito não é aceito amplamente como forma de pagamento na internet?

O débito necessita de um processo chamado de autentificação, que é a forma que temos para garantir que aquela pessoa é realmente quem diz ser. Basicamente, é um protocolo que geramos durante o processo de compra em que você responde a alguma pergunta ou tem que preencher alguma informação. Esse processo precisa ser muito bem calibrado para que garanta a segurança, mas não ofenda a experiência do usuário, senão ele vai falar “Isso aqui é muito complicado, não quero comprar dessa forma”. Temos feito uma série de estudos sobre o débito em relação a usabilidade da experiência para que a gente possa melhorar a experiência do usuário. É um objetivo da Visa e também do Banco Central para fazer com que as transações de débito aconteçam cada vez mais. É um instrumento que está na mão de milhões de brasileiros. Queremos transformar o débito em um produto estrela nas transações de lojas físicas e também no e-commerce.

Como funcionaria a transferência de dinheiro em plataformas de mensagem?

Hoje, temos a transferência bancária, mas por meio de uma interface da Visa há a possibilidade de você enviar dinheiro em questões de minutos para outra conta. A plataforma compreende transferências de valores entre duas pessoas ou clientes e empresas de forma conveniente e segura. É mais uma forma rápida, descolada e moderna. Nos Estados Unidos, fizemos uma parceria com Facebook e utilizamos o Messenger como plataforma para transferência. É outra batalha nobre para o mercado brasileiro, estamos lutando pra implementar a tecnologia aqui o mais rapidamente possível.

Como a instabilidade da economia brasileira influencia nessas inovações?

Apesar de todo o trabalho da indústria de pagamento, uma parcela muito pequena de consumidores compra com cartão de crédito, débito ou pré-pago, aproximadamente 35%, segundo a Abecs (Associação Brasileira das Empresas de Cartões de Crédito e Serviços). Muita gente ainda usa dinheiro, cheque e outros meios de pagamento que não são tão eficientes quanto os meios eletrônicos. À medida em que incluímos a tecnologia, todos ganhamos, inclusive a economia, com pagamento mais rápido, lastreável e rastreável. Existem ganhos pra todos os participantes do processo, mas ainda temos que caminhar um pouco mais.