Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Centrais sindicais fazem greve geral nesta sexta contra reformas

A avaliação das instituições é de que as mudanças já aprovadas e as em discussão no Congresso são prejudiciais, porque retiram direitos dos trabalhadores

Por Da redação - Atualizado em 10 nov 2017, 08h18 - Publicado em 10 nov 2017, 07h05

As centrais sindicais  convocarão trabalhadores a paralisarem as atividades nesta sexta-feira, e programam manifestações em diversas capitais e cidades do país. O objetivo é de protestar contra as reformas trabalhista e da Previdência. A mobilização ocorre um dia antes de as mudanças na CLT entrarem em vigor.

 

 A avaliação das instituições é de que as mudanças já aprovadas e as em discussão no Congresso são prejudiciais, porque retiram direitos dos trabalhadores. Estão previstas assembleias e mobilizações em frente às empresas, no começo do dia, e interrupção de atividades por períodos curtos – de meia hora ou uma hora, por exemplo.
 Participam do protesto as centrais CUT, Força Sindical, UGT, Nova Central, Intersindical, CTB e Conlutas. Apesar da mobilização unificada, cada instituição definiu um lugar próprio para as ações,. Em algumas cidades, como  São Paulo, Rio de Janeiro, os protestos das duas maiores centrais – CUT e Força Sindical –  acontecerão conjuntamente.
Na capital paulista, está prevista uma concentração na Praça da Sé, a partir das 9h30, seguida de uma passeata até a Avenida Paulista. No Rio, a manifestação parte da Candelária, onde se concentra a partir das 16h, rumo à Cinelândia. Em Brasília, ambas as centrais farão manifestação na Esplanada dos Três Poderes, mas em horários diferentes – o da CUT começa às 9h, e o da Força Sindical, ao meio dia.
Publicidade