Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Ceagesp recebe apenas 10% do volume comercializado por dia

Frutas, legumes, verduras, carnes, frios, leite e derivados estão entre os produtos mais afetados com a paralisação dos caminhoneiros

Por Redação
Atualizado em 10 dez 2018, 09h16 - Publicado em 28 Maio 2018, 15h15

O oitavo dia de protestos dos caminhoneiros segue afetando o abastecimento de alimentos. A Companhia de Entrepostos e Armazéns Gerais de São Paulo (Ceagesp) informou que até o meio-dia desta segunda-feira, 28, tinha recebido apenas 10% do volume normalmente comercializado, que é de cerca de 11.000 toneladas por dia.

De acordo com a empresa, não estão chegando produtos vindos de outros estados, mas a produção proveniente do cinturão verde de São Paulo tem conseguido chegar até o Entreposto Terminal São Paulo, como folhas, pimentão, pepino, tomate e chuchu, entre outros.

“Esses produtos estão sendo transportados por caminhos alternativos e houve muita transferência de galpões de grandes atacadistas localizados nas proximidades da Ceagesp”, diz a nota da companhia. Alguns itens que permitem estocagem, como maçã, pera, abóboras e frutos importados, ainda possuem oferta.

Supermercados

Os supermercadistas também sentem o reflexo do desabastecimento. De acordo com a Associação Paulista de Supermercados (Apas), a falta de produtos nos supermercados é notada pela ausência de itens do chamado FLV (frutas, legumes e verduras) e também de carnes, frios, leite e derivados, panificação congelada e produtos industrializados que levam proteínas no processo de fabricação.

Todos esses itens formam os grupos de produtos que representam 36% do faturamento dos supermercados. O setor estima que serão necessários de dez a vinte dias após o fim da greve para o abastecimento voltar ao normal, especialmente as carnes, cujo processo produtivo depende de mais tempo.

Para a Apas, “é chegado o momento em que o bom senso deve ser levado em conta pela categoria para que o país possa, de vez, emergir em uma situação de normalidade”.

https://www.youtube.com/watch?v=jTEdkm5S0lc

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.