Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Bolsas no mundo reduzem perdas com aceno de Trump a acordo com China

Ibovespa, que chegou a cair quase 2%, fecha com retração de 0,8%; dólar tem alta de 0,5% e vai para R$ 3,95

A bolsa brasileira seguiu a tendência dos mercados acionários internacionais e fechou no vermelho nesta quinta-feira, 9. O mercado financeiro começou o dia com forte queda devido ao acirramento da guerra comercial entre os Estados Unidos e a China. A notícia derrubou as principais bolsas pelo mundo. No entanto, no final do dia, a informação de que o presidente americano Donald Trump ainda estaria disposto a negociar um acordo com os chineses levou ânimo aos investidores, que reduziram as perdas.

O Ibovespa, o principal índice da bolsa de valores brasileira, chegou a cair quase 2% durante o dia, mas, no final do pregão, a queda foi menor, de 0,8%, para 94.808 pontos. As bolsas americanas também reduziram as suas perdas durante o dia após o forte declínio da abertura dos mercados. O índice Dow Jones fechou com queda de 0,5%, após ter caído mais de 1,4%. Já a bolsa de tecnologia Nasdaq teve desvalorização de 0,4%, depois de ter recuado mais de 1,1% durante o pregão.

As bolsas europeias fecharam com forte queda, porque a fala de Trump ocorreu após o encerramento das negociações dos papeis. Na França, a retração foi de 1,9%, enquanto na Alemanha, de 1,7%. Os mercados asiáticos também fecharam no vermelho: Hong Kong (-2,4%) e China (-1,9%).

“Existe uma expectativa para que voltem as negociações entre os Estados Unidos e a China. Mas estamos nesse movimentos erráticos há um bom tempo. A tendência é continuar esse vai e volta dos últimos dias. O mercado está muito refém do humor do Trump”, afirmou André Perfeito, economista-chefe da corretora Necton.

O mercado de câmbio brasileiro seguiu a mesma tendência do acionário e teve um dia bastante volátil. O dólar comercial fechou com alta de 0,5%, aos 3,95 reais para a venda, após ter batido a máxima do dia em 3,98 reais, e a mínima, em 3,94 reais. Isso porque os investidores estão cautelosos diante do embate comercial entre China e Estados Unidos.

Efeito Trump

Após anunciar no domingo no Twitter que elevaria as tarifas de importações de diversos produtos chineses, impactando receita da ordem de 200 bilhões de dólares, Trump disse, nesta quinta-feira, que recebeu uma “bela carta” do presidente chinês, Xi Jinping. “Ele acabou de me escrever uma bela carta. Acabei de receber e provavelmente vou falar com ele por telefone. Vamos trabalhar juntos, vamos ver se conseguimos fazer alguma coisa.”

Trump disse acreditar que seja possível chegar a um acordo nesta semana, enquanto os negociadores dos dois países se preparam para se encontrar novamente na noite desta quinta-feira, em Washington, para tentar acabar com a disputa comercial entre as duas maiores economias do mundo.

O escritório do Representante de Comércio dos EUA anunciou que as tarifas sobre 200 bilhões de dólares em produtos chineses vão subir de 10% para 25% nesta sexta-feira, 10, bem no meio dos dois dias de reuniões com a delegação chinesa. Trump acusa a China de quebrar os compromissos assumidos até agora nas negociações.

(Com Reuters)