Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Banco Central detecta indícios de fraudes no BVA

Em relatório de mais de 8 mil páginas, há inúmeras pistas de fraudes contábeis, desvio de dinheiro, gestão temerária e evasão fiscal

Por Da Redação 28 Maio 2014, 10h38

O Banco Central (BC) apurou indícios de crimes de fraudes contábeis, desvio de recursos, gestão temerária (irresponsável) e evasão fiscal no banco BVA durante a gestão do presidente da instituição Ivo Lodo, entre os anos de 2007 e 2012. Segundo o jornal O Estado de S. Paulo, no relatório final de inquérito, entregue há um mês à Justiça, é apontado ainda conluio de gestores do fundo de pensão Petros em empréstimos irregulares.

O prejuízo total do BVA, na data da intervenção, era de 1,6 bilhão de reais. Segundo o BC, 830 milhões de reais deixaram de ser provisionados em empréstimos com crédito de baixa qualidade. O prejuízo não inclui valores apurados em desvios de recursos.

As 8.322 páginas descrevem uma série de operações suspeitas, entre elas desvio de recursos do caixa da instituição. O BC não conseguiu apurar com precisão o que acontecia no caixa do BVA porque, entre outros problemas, não teve tempo hábil para questionar a transportadora de valores que prestava serviços ao banco. Mas relata que no dia da intervenção, 19 de outubro de 2012, o saldo do caixa era de 4,8 bilhões de reais, mas fisicamente só tinha 1,8 bilhão de reais.

Leia mais:

Após intervenção, BC decide liquidar Banco BVA

Dono do Grupo Caoa faz oferta pelo banco BVA

O desvio de recursos seria feito principalmente por meio de empresas terceirizadas que teriam recebido quase 210 milhões de reais por serviços. Para o BC, há indícios que os serviços não foram prestados. Aproximadamente 85% dos recursos eram pagos em espécie.

O relatório diz que os responsáveis pelo banco teriam retirado da instituição entre os anos de 2009 e 2012 valores superiores a 224 milhões de reais “utilizando-se de diversos atos fraudulentos, componentes de uma fraude maior, objetivo último do esquema engendrado”, diz o relatório. Os valores foram retirados de conta corrente das supostas prestadoras de serviços. “As transferências em dinheiro passavam por um complexo esquema de lançamentos, por meio de uma complexa estrutura contábil previamente inserida nos sistemas informatizados da instituição, violando regras básicas da contabilidade”.

Continua após a publicidade

O BC entende que esta operação poderia ter dois efeitos: reduzir o lucro do banco e assim pagar menos impostos ou ainda formar “caixa dois” do banco e desviar recursos para a pessoa física dos controladores e de seus diretores. Em cinco anos, os executivos do banco receberam 283 milhões de reais em dividendos e bônus. Deste total, 79%, ou 224 milhões, foram destinados para Ivo Lodo, segundo o BC. Lodo não quis comentar.

Caoa – O BC também vê indícios de crime na venda de bens pertencentes a Ivo Lodo para o grupo Caoa, o maior investidor do banco com mais de 1 bilhão de reais alocado na instituição. Esses bens, contudo, já estavam indisponíveis, segundo o relatório. O grupo Caoa nega a compra e disse que os bens foram oferecidos em garantia a um possível aporte de 300 milhões de reais que o grupo faria no banco, mas o negócio nunca se concretizou. O grupo afirma que está tranquilo com qualquer investigação que seja feita em relação ao banco BVA.

Leia também:

Fundo Petros aplicou R$ 1 bilhão no banco BVA

BC prorroga prazo para conclusão de inquérito no BVA

Petros – O BC aponta ainda quatro gestores do fundo de pensão dos funcionários da Petrobras (Petros) como autores de possíveis crimes de gestão fraudulenta em empréstimos de 100 milhões de reais para a empresa Providax, que foi criada para ser holding da Vidax, um call center em dificuldades financeiras. A Vidax chegou a pertencer a diretores do BVA.

O Petros teria concedido diretamente crédito para a Providax, o que é vedado por lei. Mas o BC diz que o mais grave é o fato de ter apurado que não há evidências de que a dívida seria paga e os empréstimos foram concedidos sem análise da capacidade financeira da empresa. “As operações ocorreram em circunstâncias que caracterizam uma simulação”, diz o relatório do BC.

O Petros não quis comentar, com o argumento que não teve acesso ao documento do Banco Central.

(com Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade
Publicidade