Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Arrecadação chega a R$ 137,7 bi em julho, melhor para o mês desde 2011

Segundo o governo, houve aumento nas receitas de Imposto de Renda da Pessoa Jurídica e da Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL)

Por da Redação - 22 ago 2019, 13h39

A arrecadação federal com impostos e contribuições somou 137,735 bilhões de reais em julho de 2019, informou nesta quinta-feira, 22, a Secretaria da Receita Federal do Ministério da Economia. É o maior resultado para o mês desde julho de 2011, quando o desempenho foi de 141,801 bilhões de reais (descontada a inflação). O crescimento real comparado ao mesmo mês de 2018 chegou a 2,95%.

Segundo o chefe do Centro de Estudos Tributários e Aduaneiros da Receita, Claudemir Malaquias, o resultado do mês foi influenciado por eventos atípicos. O principal motivo foi o aumento da arrecadação de receitas extraordinárias de aproximadamente 3,2 bilhões de reais com Imposto de Renda da Pessoa Jurídica e da Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL).

De acordo com Malaquias, isso aconteceu devido a reorganizações societárias, em que há incidência dos tributos sobre o ganho de capital com a nova organização societária das empresas. De acordo com a Receita, também houve influência do crescimento da arrecadação de depósitos judiciais (pagamentos feito antes do fim de um processo judicial)

No acumulado de 2019 a arrecadação chegou 895,330 bilhões de reais, com aumento real de 1,97%. As receitas administradas pela Receita Federal (como impostos e contribuições) chegaram a 127,637 bilhões de reais, em julho, com aumento real de 4,15%, e acumularam 854,285 bilhões de reais nos sete meses do ano, alta de 1,6%.

Publicidade

Já as receitas administradas por outros órgãos (principalmente royalties do petróleo) registraram queda em julho. Essas receitas totalizaram 10,097 bilhões de reais, no mês passado, com retração 10,18% em relação a julho de 2018. De janeiro a julho, o total chegou a 41,045 bilhões de reais, com aumento real de 10,25%, na comparação com o mesmo período do ano passado.

(Com Agência Brasil)

Publicidade