Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Aposentado critica prateleiras vazias e troca marca de arroz

Consumidor tem que trocar marca de alimentos para conseguir comprar produtos

Por Thaís Augusto
Atualizado em 28 Maio 2018, 19h09 - Publicado em 28 Maio 2018, 17h44

A greve dos caminhoneiros iniciada na última segunda-feira está alterando os hábitos de compra dos consumidores. Sem encontrar os produtos preferidos nas prateleiras dos supermercados, o consumidor tem que comprar o que encontrar para não voltar para casa com a sacola vazia.

O aposentado Marcos Aydar, 56, cliente do Pão de Açúcar da rua Teodoro Sampaio, em Pinheiros, zona oeste de São Paulo, disse que está com dificuldade para encontrar leite, legumes, verduras, carnes e ovos. “Faltam alguns produtos na parte de perecíveis. Quando fui à feira, não tinha mais. Vim ao supermercado e também não tinha”, disse

Segundo ele, estão faltando algumas marcas nas prateleiras do supermercado. “Compro arroz Camil e tive que levar de outra marca porque não tinha mais.”

Continua após a publicidade
Marcos Aydar, 56, faz compras em supermercado da zona oeste de São Paulo (Marcos Aydar/Arquivo pessoal)

Para a aposentada Rita de Souza, 66, vários produtos, como os ovos, sumiram do supermercado. “Os preços aumentaram um pouco, não tanto. Na feira, o preço aumentou muito mais, não dá para comparar.”

Segundo a Associação Brasileira de Supermercados (Abras), a normalização do abastecimento dos supermercados deve levar de 5 a 10 dias após o desbloqueio das estradas.

Continua após a publicidade

“Meu filho não consegue abastecer o carro há três dias, não tem combustível nenhum”, disse Rita. “Mas sou a favor da greve, esse país tem que mudar, do jeito que está, não dá”.

Para Aydar, o movimento dos caminhoneiros ainda está confuso. “A gente ainda não tem clareza do que eles estão pleiteando”. Apesar de não ter sido afetado com a falta de combustível, ele precisou montar esquemas de emergência para manter o quadro efetivo de trabalhadores no condomínio onde é síndico.

Desabatecimento

Na visita ao Pão de Açúcar da Teodoro Sampaio,  a reportagem verificou que havia desabastecimento de alguns itens, principalmente nos setores de frutas, verduras, arroz, iogurtes e refrigerados.

No Carrefour do Cambuci, a reportagem constatou que faltavam as principais marcas de pão de forma. Também havia falta de leite integral. O consumidor precisava comprar leite desnatado ou semidesnatado.

Em nota, o Carrefour informa que “pode haver indisponibilidade pontual de alguns itens” e que “busca alternativas para atender ao maior número de clientes e segue em contato com fornecedores locais para suprir as eventuais rupturas”.

Continua após a publicidade

O GPA, dono da marca Pão de Açúcar, informa que os estoques de carnes e aves foram impactados, “o que poderá causar faltas pontuais”.

Supermercado com problemas de abastecimento devido à paralisação dos caminhoneiros (Marcos Aydar/Arquivo pessoal)

 

Supermercado com problemas de abastecimento devido à paralisação dos caminhoneiros (Marcos Aydar/Arquivo pessoal)

 

Continua após a publicidade

Supermercado com problemas de abastecimento devido à paralisação dos caminhoneiros 

 

 

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.