Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Alemanha não aceita renegociar programa de ajuda financeira à Grécia

Ministro alemão da Economia afirma que país já tem um programa e vai ter de respeitá-lo

O ministro alemão da Economia, Wolfgang Schäuble, afirmou nesta terça-feira que a União Europeia (UE) não vai negociar um novo programa de reformas com a Grécia. Ele ressaltou que os acordos fechados em 2010 e 2012 continuam vigentes. “Não estamos negociando um novo programa. Já temos um programa”, declarou Schäuble ao final de uma reunião dos ministros da Economia do G20 em Istambul. Na quarta-feira, os líderes da zona do euro se reúnem em Bruxelas com o governo grego.

A declaração do ministro alemão foi uma resposta ao primeiro ministro grego, Alexis Tsipras, que quer negociar novos termos – menos rígidos – para a continuidade do plano de ajuda financeira da troica – grupo de credores do país composto por Comissão Europeia, Banco Central Europeu (BCE) e o Fundo Monetário Internacional (FMI). A Grécia está preparando um novo programa de reformas, enquanto tenta renegociar sua dívida. A Alemanha, porém, insiste para que os gregos deem continuidade à política de austeridade fiscal.

Leia também:

Grécia diz aceitar 70% das exigências dos credores, mas ainda quer alterações no plano de resgate

Europa nega pedido da Grécia para emitir mais € 4,5 bil em títulos

Grécia desiste de pedir perdão da dívida e tenta ganhar confiança da zona do euro

Sem apoio internacional, a Grécia pode estar à beira da moratória, caso não aceite a ajuda internacional prevista para o final de fevereiro. “Acho que as regras estão mais ou menos claras para Atenas”, acrescentou Schäuble.

Schäuble também disse que eram falsos os relatos de um novo empréstimo-ponte entre a União Europeia e o governo grego. Segundo ele, a reunião do eurogrupo desta quarta servirá apenas para ouvir as sugestões do novo governo da Grécia, eleito há poucas semanas.

Caso não cheguem a um acordo, a Grécia pode ser obrigada a deixar o bloco do euro.

(Com Estadão Conteúdo e agência France-Presse)