Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Radar Econômico

Por Pedro Gil
Análises e bastidores exclusivos sobre o mundo dos negócios e das finanças. Com Diego Gimenes e Felipe Erlich
Continua após publicidade

Ibovespa zera perdas da semana instigado pelo exterior e sinal de Haddad

Resiliência de bancos americanos e movimentação de Haddad por menos juros animam investidores; Ação no STF dá mais influencia ao governo sobre Eletrobras

Por Felipe Erlich Atualizado em 4 jun 2024, 10h44 - Publicado em 6 Maio 2023, 10h30

VEJA Mercado | Fechamento da semana | primeiro a 5 de maio

O Ibovespa, principal índice do mercado financeiro, fechou a última semana em leve alta de 0,61%, operando sem fortes emoções durante a maior parte dos quatro pregões que sucederam o feriado do Dia do Trabalho. O índice ganhou um grande fôlego apenas na sexta-feira, 5, quando registrou uma alta de 2,84%. Duas sinalizações dadas durante o pregão que encerrou a semana de negociações se destacaram entre investidores. O temor de uma crise financeira nos Estados Unidos foi reduzido com a divulgação de fortes dados de emprego e análises que apontam para a resiliência de bancos regionais, que têm sido vetores de preocupação quanto à economia americana. S&P 500 e Nasdaq Composite, índices locais, tiveram altas de 1,85% e 2,25%, respectivamente, na sexta e puxaram a bolsa brasileira para cima. O dólar, por sua vez, fechou a semana cotado a 4,95 reais, uma queda de 0,73% no período, mesmo com o Federal Reserve (Fed), o banco central americano, tendo aumentado os juros do país em 0,25 ponto percentual — um movimento amplamente esperado.

Também agradando o mercado, o ministro Fernando Haddad, da Fazenda, fez uma sinalização relevante em meio à promessa de reformas, além da alta de juros. Em entrevista à rádio CBN, Haddad mostrou confiança de que tanto o novo arcabouço fiscal quanto a reforma tributária serão aprovados pela Câmara dos Deputados nos próximos dois meses. Vale lembrar que o arcabouço, que tem estimulado uma busca por aumento de receita, levou o governo a baixar uma medida provisória (MP) na última segunda-feira a fim de taxar investimentos no exterior. Haddad também defendeu que a meta de inflação perseguida pelo Banco Central passe a ser contínua e não atrelada a anos específicos. Se implementada, a mudança poderia facilitar a redução da Selic, mantida em 13,75% pela sexta vez consecutiva nesta semana.

Para ficar no radar dos investidores, a Advocacia-Geral da União (AGU) ingressou com uma ação no Supremo Tribunal Federal (STF) que aumenta o poder do governo federal sobre a Eletrobras. A AGU pede que o “peso” do voto de acionistas da empresa tenha um limite de 10%, equivalente ao do governo desde a privatização da companhia, independente do percentual de ações detidas. Como o fato veio a público ao final da sexta-feira, 5, resta acompanhar qual será a dimensão de seu impacto na cotação da Eletrobras na bolsa.

Siga o Radar Econômico no Twitter

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.