Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Radar Econômico Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Por Victor Irajá
Análises e bastidores exclusivos sobre o mundo dos negócios e das finanças. Com Diego Gimenes e Felipe Erlich
Continua após publicidade

Gripe aviária e “vaca louca” provocam tempestade nos frigoríficos

VEJA Mercado: ações derretem até 7%

Por Diego Gimenes Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 23 fev 2023, 11h17 - Publicado em 23 fev 2023, 11h02

A Argentina confirmou nove casos de gripe aviária altamente patogênica do vírus H5N1 em aves silvestres e de quintal. O Uruguai também notificou seus primeiros casos da doença. A divulgação eleva substancialmente o risco de introdução da doença no Brasil dada a proximidade dos territórios com a fronteira brasileira, cerca de 160 km. A região Sul responde por cerca de 60% dos abates brasileiros de aves de corte. A ocorrência de gripe aviária não justifica restrições ao comércio internacional, mas alguns analistas recomendam que os frigoríficos brasileiros tratem o tema com clareza e não subnotifiquem eventuais casos que venham a ocorrer no país. “Para as empresas exportadoras e seus representantes, é crucial antecipar o diálogo com seus clientes externos e buscar compreender quais podem ser as reações na hipótese da doença atingir os sistemas de produção comercial”, escrevem os analistas do Itaú BBA em material enviado a clientes.

Além da gripe aviária, o ministério da Agricultura confirmou um caso de “vaca louca” em um animal de 7 anos que estava em uma fazenda em Macapá, no Pará. A doença degenerativa afeta o sistema nervoso de animais bovinos, provocando demência, e pode levar à morte. O ministério da Agricultura anunciou a suspensão das exportações de carne bovina para a China em razão do incidente. A medida faz parte de um protocolo selado entre os países para esse tipo de situação, e deve ser mantida até análise do caso pela Organização Mundial de Saúde Animal. A combinação de fatores provoca uma tempestade nas ações de alguns frigoríficos listados em bolsa. A Minerva e a BRF são as empresas que mais sentem os efeitos, e amargaram duras quedas de 7,47% e 6,71%, respectivamente, na última quarta-feira, 22.

Siga o Radar Econômico no Twitter

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.