Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Radar Econômico

Por Pedro Gil
Análises e bastidores exclusivos sobre o mundo dos negócios e das finanças. Com Diego Gimenes e Felipe Erlich
Continua após publicidade

Dólar fica acima de R$ 5 por toda a semana e exterior enquadra a bolsa

Alta de juros global é a maior preocupação dos investidores, que ampliam cautela com o mercado

Por Felipe Erlich Atualizado em 4 jun 2024, 10h23 - Publicado em 7 out 2023, 10h06

VEJA Mercado | Fechamento da semana | 2 a 6 de outubro

O dólar foi negociado acima da cotação de cinco reais ao longo de toda a última semana, fato que não ocorria desde março, consolidando o patamar elevado em reflexo da atual conjuntura externa. A moeda americana começou a semana cotada a 5,04 reais e encerrou a sexta-feira em 5,16 reais. Trata-se de uma alta de 2%, o exato oposto do desempenho do Ibovespa, principal índice da bolsa brasileira, na semana — que caiu 2,06% no período. A alta do dólar tem como pano de fundo a incerteza sobre o futuro econômico dos Estados Unidos, onde a crescente relação entre. dívida pública e o Produto Interno Bruto (PIB), um mercado de trabalho aquecido e pressões inflacionárias criam um clima desafiador.

Em resposta à dificuldade de contingenciar a escalonada dos empregos e dos preços, o Federal Reserve (Fed), o banco central americano, deve tende a praticar juros elevados por mais tempo — o que culmina na valorização da renda fixa americana e, em consequência, do dólar e no derretimento de ativos de maior risco. Como aponta pesquisa da XP Investimentos divulgada nesta semana, os investidores brasileiros consideram as altas taxas de juros ao redor do mundo como o maior risco para o mercado de ações, com 36% das respostas. O risco fiscal no governo brasileiro, que gerou temores ao longo do ano, ficou em segundo plano, com 20%.

Em linha com esse contexto desafiador, a XP reduziu sua projeção de pontos para o Ibovespa em 2023, caindo de 133 mil pontos para 128 mil pontos. “Temos o risco de que os preços mais altos de energia possam reacelerar a inflação”, escreveram os analistas em meio a alta global do petróleo, hoje cotado a cerca de 85 dólares o barril — 6,8% acima do início do ano. Outro dado recente que contribui para o temor inflacionário global diz respeito ao mercado de trabalho americano. Cerca de 336 mil empregos foram criados nos EUA em setembro, quase o dobro dos 170 mil esperados pelo mercado, segundo relatório do governo local divulgado na sexta-feira, 6. O número monumental é sintoma da economia ainda aquecida que o Fed, com sua taxa de juros, pena para resfriar.

Siga o Radar Econômico no Twitter

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.