Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.
VEJA Gente Por João Batista Jr. Notícias, bastidores e conversas de quem é assunto na cultura, na política, nos negócios e em outras rodas

Dona da Mr. Fit recusa oferta de 24 milhões de reais

"Sei que a empresa valerá muito mais em breve"

Por João Batista Jr. - Atualizado em 28 nov 2019, 12h52 - Publicado em 28 nov 2019, 11h41

“Não!”. Foi essa resposta que a empresária Camila Miglhorini, criadora da rede de comidas saudáveis Mr. Fit, deu para um interessado em comprar sua empresa por 24 milhões de reais. A razão para declinar: “sei que ela valerá muito mais em breve.” Os números que explicam tamanho otimismo: fundada em 2014 com investimento inicial de 45 000 reais, a empresa hoje soma 125 pontos no Brasil. Todas as lojas são franquias. Em dois meses, a Mr. Fit abre sua primeira unidade em Lisboa. “A alimentação saudável não é modismo, as pessoas estão em busca de coisas melhores para ter mais qualidade de vida”, diz. O carro-chefe do cardápio é um estrogonofe de biomassa de banana. Mas há opções como hambúrguer de peixe e de soja, além de brigadeiro e beijinho também de biomassa de banana.

Embora esteja em crescimento o número de adeptos do veganismo, Camila conta que, até o momento, as opções sem derivado de origem animal não representam menos de 5% de seu faturamento. Outro detalhe: as saladas não são as opções com mais saída. “Ninguém come alface todo os dias.” O valor para se obter uma franquia varia de 60 000 a 250 000 reais — os pontos mais caros ficam em aeroportos e shoppings.

Publicidade