Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Radar Econômico Por Josette Goulart Análises e bastidores exclusivos sobre o mundo dos negócios e das finanças. Com Diego Gimenes.

Ministério Público pode atrapalhar venda da Braskem

Odebrecht terá que explicar circunstâncias das garantias dadas a grandes bancos e se terá dinheiro para pagar acordos com governo se vender a petroquímica

Por Josette Goulart Atualizado em 12 abr 2021, 12h05 - Publicado em 12 abr 2021, 10h38

O Ministério Público do Estado de São Paulo está pedindo explicações para a administradora judicial da Odebrecht sobre as circunstâncias em que as ações da Braskem foram dadas em garantia a bancos, o que pode ter prejudicado outros credores do grupo. O promotor Tiago De Toledo Rodrigues também pede esclarecimentos sobre se a empresa terá condições de continuar honrando os pagamentos dos acordos de leniência firmados com o Ministério Público Federal e a Advocacia Geral da União depois que vender a petroquímica. A manifestação do MP foi apresentada em um processo que corre juto com a recuperação judicial do grupo e que é promovido pelo ex-presidente da Braskem, José Carlos Grubisich. Grubisich não fez parte do mega acordo de delação premiada e chegou a ser preso nos Estados Unidos por conta das investigações. Como credor, tem cerca de 100 milhões de reais a receber da Odebrecht. 

Os advogados de Grubisich alegam no processo que a Braskem responde por mais de 85% do grupo Odebrecht e, portanto, se for vendida não restará nada aos credores. A Braskem foi dada em garantia aos bancos Bradesco, Banco do Brasil, Santander, BNDES e Itaú já depois que a Odebrecht entrou em crise por conta da Lava Jato. Parte da garantia foi usada apenas para rolar dívidas da empresa. No plano de recuperação judicial, ficou acertado que a Odebrecht teria 3 anos para vender a Braskem e assim ressarcir os bancos. O que sobrar, será dividido entre os outros credores. Este processo judicial, que contesta a preferência dos grandes bancos, ameaça diretamente a venda da Braskem, que está em pleno andamento como informou o Radar Econômico. E a manifestação do Ministério Público a esta altura do campeonato traz uma incerteza ainda maior.

Leia também:

  • Covid-19: os detalhes do teste da nova vacina no Brasil.
  • As curvas de casos e mortes da Covid-19 por dia no Brasil.
  • Eficácia da CoronaVac aumenta com intervalo entre doses superior a 21 dias.
  • Índia proíbe exportação de medicamento remdesivir, usado contra Covid.
  • Os países que liberaram a compra de vacinas pela iniciativa privada.
  • Aliado de Bolsonaro obtém apoio para pôr prefeitos e governadores em CPI.
  • Bolsonaro quer ligar o forno de pizza.
Publicidade