Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Após comprar WhatsApp, Facebook tem novo alvo: drones

Rede estuda aquisição da Titan Aerospace, companhia de aeronaves não tripuladas, por 40 milhões de dólares. O objetivo: levar internet aos países sem conexão

Depois de adquirir o serviço de mensagens instantâneas WhatsApp por 19 bilhões de dólares, o Facebook negocia a compra da empresa americana especializada em drones Titan Aerospace por 40 milhões de dólares, informou nesta terça-feira o site especializado em tecnologia TechCrunch. A iniciativa tem um objetivo: usar as pequenas aeronaves não tripuladas para levar internet a países sem conexão com a rede.

Leia também

CES apresenta drones para brincar, fotografar e filmar

Os desafios da Amazon na adoção de entregas com drones

De acordo com a publicação, os primeiros modelos de drones da companhia, o Solara 50, são movidos a energia solar e permanecem em operação por até cinco anos. Eles conseguem trabalhar mesmo sob condições meteorológicas adversas, como fortes chuvas. O Facebook, no entanto, estaria de olho na versão Solara 60, que deve ser anunciada nos próximos meses.

Os drones serviriam como uma espécie de satélite, retransmitindo os sinais da rede. “Já temos aeronaves que, ao receber equipamentos especiais, oferecem acesso à internet”, afirma a Titan Aerospace em seu site oficial.

Caso a negociação se concretize, Mark Zuckerberg dá novo impulso ao ambicioso projeto Internet.org, iniciativa lançada em agosto que pretende ampliar o acesso tornar à internet. Em agosto de 2013, a rede social se uniu a outras grandes companhias, como Ericsson, Nokia, Samsung e Qualcomm, Opera e Media Tek com o objetivo de baratear a conexão e os dispositivos móveis, como smartphones e tablets.

Com o projeto, Zuckerberg quer levar a internet a países carentes de infraestrutura, caso de nações na África e Ásia. Estima-se que o cofundador do Facebook pretenda usar até 11.000 drones sobrevoando essas áreas para fornecer internet a esses dois continentes.

Leia também:

Facebook e WhatsApp existirão juntos – e separados

A guerra dos apps de mensagens instantâneas