Vacina é a solução para a dengue… em 2017

A vacina brasileira desenvolvida pelo Instituto Butantã apresenta eficácia de até 90% contra a doença. No entanto, a pesquisa que permite a confirmação desse resultado só será concluída no fim de 2016

O aumento no número de casos de dengue em São Paulo provocou uma corrida por uma vacina que proteja contra a doença. O governador do Estado, Geraldo Alckmin, afirmou que pedirá à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) uma autorização especial para antecipar a produção do imunizante que está sendo desenvolvido pelo Instituto Butantan, ainda em fase de testes. Pelos critérios médicos e científicos, no entanto, o pedido não resolverá o problema neste ano. A vacina do Butantan só ficará pronta no fim de 2016, com as doses disponíveis para a população no início de 2017.

“As vacinas contra a dengue são, sem dúvida, promissoras, mas apenas uma esperança para o combate”, afirma a infectologista Rosana Ritchmann, membro do Comitê Permanente em Imunização da Secretaria de Saúde do Estado de São Paulo (CPAI). “Elas se mostraram seguras e oferecem imunização. Porém, como são novas, ainda há questões que precisam ser resolvidas e elas só ofereceriam a proteção necessária em 2017.”

Leia também:

Dengue já atinge 90% das cidades de SP e se aproxima de nível epidêmico

Estado de SP tem 95 mil casos sob suspeita de dengue

Atualmente não há nenhuma vacina disponível para proteger contra a dengue, mas existem algumas sendo desenvolvidas por laboratórios farmacêuticos ou institutos de pesquisa. As mais avançadas são as do Sanofi Pasteur, que está em desenvolvimento há cerca de 20 anos, e a do Instituto Butantan em parceria com o National Institutes of Health (NIH, na sigla em inglês). Outras vacinas estão sendo feitas pelo GlaxoSmithKline, em parceria com a Fiocruz, pela Takeda Pharma e pela americana Merck.

Entre todas, a do Instituto Butantan é a que apresenta os melhores resultados. As primeiras conclusões dos ensaios de fase II, que analisam, principalmente, a segurança e a capacidade de a vacina produzir anticorpos, mostraram que ela tem uma capacidade de proteção de 85% a 90% contra os quatro sorotipos da doença. Com uma única dose, ela foi capaz de proteger 97% dos casos de dengue do sorotipo 1, 80% do sorotipo 2, 97% do sorotipo 3 e 100% do sorotipo 4. Os estudos foram feitos com 300 brasileiros e 600 americanos, de acordo com o Instituto Butantan.

Antes de chegar à população, entretanto, o imunizante precisa ainda passar pela fase III, que deve ser feita com 10 000 a 20 000 pessoas para avaliar a segurança e comprovar a eficácia das doses. O pedido que será enviado pelo Butantan à Anvisa até o fim desta semana vai solicitar o início desta fase. O propósito é vacinar 10 000 voluntários até o fim do ano.

“Estamos finalizando a fase II e, com esses resultados, já podemos iniciar a III. Não vamos pular nenhuma das etapas do estudo científico, mas queremos apressar a autorização para conseguirmos começar a próxima fase rapidamente”, explica o infectologista Esper Georges Kallás, professor da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo e um dos principais pesquisadores da vacina. “De todo modo, se conseguirmos fazer isso ainda este ano, os resultados só começarão a aparecer da metade para o fim do próximo ano.”

Proteção – O imunizante da Sanofi Pasteur, que já tem concluída a fase de estudos e, de acordo com a empresa deve ser lançado entre o fim deste ano e o início de 2016, protege contra a doença em 60,8% dos casos. A última fase da pesquisa, que contou com a participação de cerca de 30 000 jovens até 16 anos, incluindo 3 500 brasileiros, apresentou eficácia diferente contra os quatro sorotipos da doença. Ela evitou mais de 70% dos casos de dengue tipo 3 e 4, e menos de 50% das infecções por dengue tipo 1 e 2. No Estado de São Paulo, a atual epidemia é causada em sua maior parte pelo sorotipo 1. Os 2 e 3 são os mais relacionados a casos graves de hospitalizações e mortes.

A vacina ainda é capaz de reduzir em até 80% o risco de hospitalização causada por complicações da dengue e diminuiu em 95% os casos graves da doença. Para oferecer a proteção completa, são necessárias três doses, com intervalo de seis meses entre elas. Além da baixa proteção contra algumas cepas e a falta de estudos de longo prazo, esse é um dos pontos que recebe a crítica dos especialistas, pois a adesão a vacinas que precisam ser tomadas em intervalos longos costuma ser baixa e, assim, sua eficácia é reduzida. Para que ela seja utilizada no Brasil, um dossiê com seus resultados precisa ser submetido à Anvisa, que avaliará a eficácia e decidirá se ela poderá ser usada no país.

“A solução definitiva seria ter uma vacina que ofereça alta proteção contra os quatro sorotipos da doença com uma única ou poucas doses. Esse é o sonho dourado de todos que estudam o combate à dengue”, afirma Kallás.

Dengue em SP – Dados divulgados na semana passada pela Secretaria Estadual da Saúde mostram que São Paulo teve neste ano 80 283 casos de dengue, 73,8% a mais do que nos três primeiros meses de 2014. Pelo menos 67 pessoas já morreram desde janeiro por complicações da doença. No interior do Estado, um terço das 645 cidades paulistas registrou em apenas dois meses de 2015 mais casos de dengue que em todo o ano passado, de acordo com um levantamento do jornal O Estado de S. Paulo. Na capital, de janeiro a 14 de março, foram notificados 15 789 casos da doença, ante 4 326 no mesmo período de 2014.