Pacientes de médicos mais velhos morrem mais do que os de novos

Pesquisa de Harvard argumenta que médicos experientes atuam com conhecimento adquirido na época em que estudaram; o que pode ter se tornado ultrapassado

O senso comum nos ensina que um profissional é mais confiável conforme mais cabelos brancos tiver na cabeça. Afinal, o tempo é senhor da razão, correto? No entanto, uma pesquisa da Universidade de Harvard quebra esse preceito. Os cientistas notaram que pacientes de médicos mais velhos morrem mais do que os pacientes de doutores novinhos.

Conforme o estudo, publicado no prestigiado British Medical Journal, a exceção se dá apenas para médicos mais velhos bastante ativos, que continuam a atender muitas pessoas no hospital – estes tinham uma mortalidade entre seus pacientes abaixo da média.

Os pesquisadores de Harvard argumentam que médicos mais experientes atuam com base no conhecimento adquirido na época em que estudaram, que pode ter se tornado ultrapassado. Caso o médico não frequente congressos e grupos de discussão ou use softwares específicos voltados para o diagnóstico, há o risco de aplicar técnicas datadas.

“Achamos que médicos velhos estão tentando bastante aprender tratamentos inovadores e implementá-los na sua prática. No entanto, visto que o conhecimento médico e as novas tecnologias mudam frequentemente, eles podem ficar sobrecarregados para se atualizar”, explica o médico pHD Yusuke Tsugawa, líder do estudo, em entrevista à publicação.

Já os doutores jovens, ainda que mais crus, saem da faculdade a par do que há de mais recente na medicina. É como se saíssem já treinados para usar tratamentos e tecnologias de ponta.

A diferença é pequena, mas ainda assim chamou a atenção dos pesquisadores de Harvard. Para chegar aos resultados, foram analisados, do banco de dados relativo ao país inteiro, 736.537 pacientes, entre 65 e 75 anos, tratados por 18.854 médicos entre 2011 e 2014. As comparações eram sempre feitas entre pacientes do mesmo hospital, para não haver discrepância.

Manutenção

Apesar dos dados encontrados, os pesquisadores ressaltam que é preciso manter médicos mais experientes nas equipes – afinal, a experiência e mentoria deles é fundamental para ensinar os mais novos.

No estudo, foi visto que médicos mais velhos com alto número de pacientes (pelo menos 200 por ano) perdiam 10,9% dos seus pacientes – portanto, abaixo da média geral de mortalidade para todos, de 11,1%.

Aliás, em todas as idades, o fator que mais definia a queda no número de mortes não era o pouco ou muito tempo de carreira, mas sim a quantidade de pacientes atendidos. Há, portanto, uma relação direta: quanto mais um médico trabalha, mais pacientes ele salva.

“Aqueles que continuam a ver um grande número de pacientes se atualizam sobre as últimas tecnologias e o conhecimento médico mais recente. Portanto, eles mantêm um cuidado de alta qualidade ao longo da carreira”, explicou Tsugawa.

A data de nascimento, portanto, não pode ser levada somente em conta na escolha do profissional. Vale pedir a boa e velha indicação. “Julgar apenas a idade como um fator não é o jeito certo de avaliar a performance de médicos”, disse Tsugawa, da Universidade de Harvard.

Veja alguns dados da pesquisa:

– Média geral de mortalidade para médicos de todas as idades: 11,1% * **

– Médicos com menos de 40 anos: mortalidade de 10,8% entre os pacientes* **

– Médicos entre 40 e 49 anos: mortalidade de 11,1%* **

– Médicos entre 50 e 59 anos: mortalidade 11,3%* **

– Médicos acima de 60 anos: mortalidade de 12,1%* **

* Morte em até 30 dias após a internação

** Doenças mais comuns analisadas: infecção por bactéria, pneumonia, insuficiência cardíaca e obstrução pulmonária crônica

Com Estadão Conteúdo

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Ataíde Jorge de Oliveira

    Paciente de Médico_NENHUM não morre NUNCA.
    A VELHICE Eleva, diretamente, até o SANTíSSIMO

    Curtir

  2. Sonia Fausta Tavares Monteiro

    Acredito que, não só com relação a médicos, todos os profissionais não podem deixar de continuar a estudar e se atualizar ao longo do exercício de sua profissão. Concordo, entretanto, que no caso de um médico-cirurgião, por exemplo, a idade. com a diminuição dos reflexos, possa influenciar no desempenho dessa profissão, mesmo e apesar de seus conhecimentos técnicos atualizados!

    Curtir

  3. Não sei se concordo 100% com a pesquisa. Tem algumas pessoas idosas que tendem a se identificar mais com médicos de mais idade. Eu acho que tem muitos que deixam de se atualizar, sim, especialmente os que só entraram na profissão por dinheiro. Por outro lado, eu gosto de médicos bons de mais idade. Parece que eles tem uma visão mais ampla. Percebem quando seu problema está relacionado a outra área de sua vida. Tem uma sabedoria do tempo.

    Curtir

  4. Multyplus Print Solution

    Há controvérsia. Minha esposa contraiu herpes zoster e por ter ficado perto, meu filho contraiu a catapora, que é o mesmo vírus. Pedem que todo paciente com catapora seja consultado por médico e o médico novo disse que não era catapora. Na verdade ele nem sabe o que é isso. Um coitado. No dia seguinte um médico velho diagnosticou e passou todas as informações necessárias

    Curtir

  5. Multyplus Print Solution

    Minha esposa contraiu herpes zoster e por ter ficado perto, meu filho contraiu a catapora, que é o mesmo vírus. Pedem que todo paciente com catapora seja consultado por médico e o médico novo disse que não era catapora. Na verdade ele nem sabe o que é isso. Um coitado. No dia seguinte um médico velho diagnosticou e passou todas as informações necessárias

    Curtir

  6. Social Democrata Nem Direita Nem Esquerda

    Pesquisa fajuta. Não troco a experiência de um bom médico por um recém saído das fraudas.

    Curtir

  7. Atualizar-se no exercício da medicina não estaria ligado com a boa formação nos bancos da universidade e com a real vocação do médico do que com a idade?

    Curtir