OMS: cigarro causa seis milhões de mortes ao ano

Relatório da OMS mostra que, embora medidas antitabagistas atinjam cada vez mais pessoas, o fumo ainda é a principal causa de mortes evitáveis no mundo

Apesar do aumento das políticas públicas que visam combater o tabagismo, o cigarro continua sendo a principal causa de mortes evitáveis em todo o mundo. Segundo relatório da Organização Mundial de Saúde (OMS) divulgado nesta quarta-feira, o cigarro causa seis milhões de mortes no mundo por ano, a maioria em países de baixa e média renda. No documento, a OMS alerta que, se essa tendência se mantiver, o número de mortes ligadas ao fumo deve aumentar para oito milhões ao ano em 2030 – e 80% desses óbitos deverão acontecer nos países mais pobres.

Ainda de acordo com o relatório Global Tobacco Epidemic 2013 (Epidemia Global do Tabaco 2013), acredita-se que o cigarro tenha causado a morte de mais de 100 milhões de pessoas no século XX. “Se não banirmos a publicidade, a promoção e o patrocínio por parte da indústria do tabaco, adolescentes e adultos continuarão a ser atraídos pelo consumo de cigarro por uma indústria cada vez mais agressiva”, disse Margaret Chan, diretora-geral da OMS.

O relatório mostrou que medidas de restrição do cigarro – como proibição da publicidade e a realização de campanhas antitabagistas – atingem, hoje, uma em cada três pessoas no mundo, o equivalente a 2,3 bilhões de indivíduos. São 400 milhões de pessoas a mais em comparação com dez anos atrás. No entanto, apesar do avanço, a OMS acredita que para que a meta de redução do tabagismo em 30% até 2025 seja alcançada, mais países devem adotar medidas contra o cigarro.

Leia também:

OMS quer proibir qualquer forma de publicidade do tabaco

Brasil é exemplo de como reduzir mortes por tabagismo, diz revista britânica

Em 20 anos, leis antifumo reduziram o tabagismo no Brasil pela metade

Um terço dos brasileiros fumantes deixou o vício após restrição à publicidade de cigarros

Publicidade de cigarro aumenta chances de adolescente começar a fumar

(Com AFP)