Novo método pode facilitar tratamento do câncer de mama

Injeção subcutânea do trastuzumabe diminui consideravelmente o tempo de aplicação e poderá ser feita em casa pela própria paciente

Uma nova maneira de aplicar a droga trastuzumabe em pacientes com câncer de mama pode facilitar o tratamento da doença. Segundo estudo publicado no periódico The Lancet Oncology, fases finais de pesquisa apontam que uma injeção subcutânea do medicamento – e não a tradicional aplicação intravenosa – pode ser feita em apenas cinco minutos. O estudo foi realizado em uma parceria de coordenação entre pesquisadores alemães e médico brasileiro Gustavo Ismael, do Hospital Amaral Carvalho, em Jaú, no interior de São Paulo.

CONHEÇA A PESQUISA

Título original: Subcutaneous versus intravenous administration of (neo)adjuvant trastuzumab in patients with HER2-positive, clinical stage I-III breast cancer (HannaH study): a phase 3, open-label, multicentre, randomised trial

Onde foi divulgada: periódico The Lancet Oncology

Quem fez: Gustavo Ismael, Roberto Hegg e equipe

Dados de amostragem: 596 mulheres em tratamento para o câncer de mama

Resultado: A aplicação subcutânea do medicamento trastuzumabe não foi inferior à intravenosa. Como benefício, a técnica trouxe uma redução do tempo de injeção do medicamento – de 30 minutos em sessões regulares para apenas 5 minutos.

O câncer de mama caracterizado como HER2-positivo, que representa um para cada cinco casos do câncer, é tratado com o trastuzumabe juntamente com as demais drogas quimioterápicas padrões. Atualmente, essa droga é aplicada via intravenosa, exigindo que a paciente fique por 90 minutos conectada à aparelhagem durante a sua primeira dose. Caso responda bem e o medicamento seja tolerado, ela terá de voltar ao hospital para doses subsequentes de 30 minutos cada, normalmente uma vez a cada três semanas.

Pesquisa – O novo estudo tinha como objetivo descobrir maneiras alternativas de aplicar o medicamento, a fim de que ele dispendesse menos tempo da paciente no hospital. Descobriu-se, então, que as injeções subcutâneas levam menos de cinco minutos para serem aplicadas – em contraste aos 30 minutos de praxe da dose intravenosa. A via subcutânea tem ainda potencial para poder ser aplicada pela própria paciente em casa.

De acordo com os pesquisadores, a formulação subcutânea do remédio aparenta ser tão eficaz quanto à intravenosa, já que a droga é usada pelo corpo da mesma maneira em ambos os métodos. Os dois tipos de aplicação têm também o que os cientistas chamam de resposta patológica completa (RPC), definida como o desaparecimento de todas as evidências clínicas da doença.

Leia também:

Especialista tira dúvidas sobre o câncer de mama

SUS fornecerá medicamento contra câncer de mama

Embora ainda seja cedo para afirmar com segurança se a formulação subcutânea resulta em uma redução de mortalidade similar ao método intravenoso, estudos prévios sugerem que os índices de RPC são similares. Segundo os autores, a formulação subcutânea da droga também tem um perfil seguro, comparado ao método já existente. Isso aumenta, portanto, a esperança de que, no futuro, o tratamento possa se tornar consideravelmente menos demorado.

Especialista responde

Gustavo Ismael

Coordenador Médico do Centro de Pesquisas Clínicas da Fundação Amaral Carvalho, em Jaú, São Paulo, e um dos responsáveis pelo estudo

Qual o objetivo do estudo?

Estávamos a procura de um método que demandasse menos tempo de administração, mais conforto e que fosse mais conveniente à paciente. Isso sem contar ainda que a via subcutânea de aplicação também se mostrou melhor para a estrutura hospitalar: ela otimiza os recursos disponíveis.

É possível que o método subcutâneo possa vir a ser usado pela própria paciente?

No nosso estudo, a administração foi feita sempre pela equipe de enfermagem e de maneira manual. Existe um equipamento, no entanto, que foi desenvolvido para permitir a auto aplicação. Por ser automatizado, ele poderia fazer com que o medicamento fosse administrado pela própria paciente dentro de casa. Mas ainda são necessárias algumas pesquisas nesse sentido.

Quais as complicações do método subcutâneo?

Obviamente, existem algumas reações locais, como um pouco de dor. Mas esses problemas são extremamente manejáveis.