Meninas de apenas 11 anos procuram cirurgia íntima

Meninas de apenas 11 anos de idade tem procurado por cirurgias íntimas ou labioplastias. A tendência preocupa profissionais de saúde

A cirurgia íntima feminina ou labioplastia, que reduz ou altera os lábios vaginais, já é tendência em cirurgias plásticas em todo o mundo. Tanto que este ano, pela primeira vez, o procedimento foi incluído no relatório anual da Sociedade Americana de Cirurgiões Plásticos, com um aumento de 39% nos casos em relação a 2015. No Brasil, um levantamento realizado pela Dall’Ago & Manfrim Cirurgia Plástica mostrou que a procura pela cirurgia íntima feminina cresceu 250% em um ano. Já no Reino Unido, o número de mulheres submetidas a labioplastia aumentou dez vezes entre 2003 e 2013.

Aumento entre pré-adolescentes e adolescentes

É também no Reino Unido que essa “moda” chegou às crianças. Especialistas afirmaram à rede britânica BBC que meninas de apenas 11 anos têm procurado o procedimento. Registros do Sistema Nacional de Saúde do Reino Unido (NHS, na sigla em inglês) mostraram que entre 2015 e 2016, cerca de 200 mulheres com menos de 18 anos fizeram labioplastia. Dessas, 150 (75%) tinham menos de 15 anos. O dado chamou a atenção e gerou críticas entre especialistas locais.

“Estou vendo meninas de apenas 11, 12, 12 anos, acreditando que há algo errado com sua vulva – que ela tem o formato errado, o tamanho errado, e realmente expressando nojo sobre ela. Sua percepção é que seus pequenos lábios deveriam ser invisíveis, quase como uma Barbie, mas a realidade é que há muita variação. É muito normal que os lábios se projetem.”, disse a médica Paquita de Zulueta à BBC.

Pornografia e mídias sociais

Especialistas acreditam que o aumento da procura de procedimentos íntimos por meninas tão jovens esteja relacionado ao sexting -troca de imagens de nudez pelo smartphone -, às famosas “nudes” nas mídias sociais e ao acesso à pornografia na internet, que faz com que elas tenham uma percepção irreal sobre a aparência de sua região íntima.

Riscos

O problema da labioplastia em meninas tão jovens é que, além dos riscos associados a qualquer procedimento cirúrgico, na adolescência, o corpo ainda está em desenvolvimento. Isso significa que, nessa faixa etária, é normal que os pequenos lábios pareçam salientes, simplesmente porque eles crescem primeiro. Mas, mais tarde, isso tende a se normalizar e o procedimento terá sido em vão ou, pior ainda, causar um problema real, como cicatrizes ou assimetria no local.

Quando a cirurgia é indicada

Oficialmente, a NHS recomenda que o procedimento não seja realizado em meninas com menos de 18 anos, exceto em casos de deformidades ou grande impacto físico ou psicológico para a paciente e alega que todas as adolescentes submetidas à labioplastia o fizeram por questões de saúde.

Naomi Crouch, ginecologista especializada em adolescentes afirmou que  “é muito difícil acreditar que existem 150 meninas com alguma anormalidade médica que justifique a necessidade de uma operação íntima”. Ela acredita que as jovens estejam exagerando ao relatar o abalo do problema à sua autoestima ou seu real impacto na prática de esportes, por exemplo.

“Elas estão conscientes de que são mais propensas a conseguirem a operação se disserem que [o problema] está interferindo no sexo, esporte…”, afirmou a especialista.

Impacto na autoestima

Apesar das críticas, o cirurgião britânico Miles Berry defendeu a operação. “Isso pode mudar as pessoas profundamente, o sentimento que elas têm sobre si mesmas, sua confiança e autoestima. Eu vi pacientes com idade entre 16 e 21 anos que nunca tinham tido um namorado porque elas estavam preocupadas demais sobre isso [a aparência de seus genitais].”, afirmou à BBC.

Na Inglaterra, a maioria das labioplastias ainda é feita por mulheres com mais de 18 anos, em procedimentos particulares. Segundo a cirurgiã plástica Heloise Dall’Agno, as cirurgias da região íntima feminina são rápidas, pouco dolorosas e com repouso pós-operatório médio de sete dias.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Alessandra Pereira Maggio

    E pra que isso? Agora criança precisa ter beleza íntima?! Desde quando isso é normal? Cada vez mais cresce o número de dementes no mundo todo, é espantoso. Há poucos dias li aqui, que algumas mulheres estão comendo a própria placenta para prevenir a depressão pós parto, eeeek! Tá todo mundo ficando louco, só pode

    Curtir

  2. Social Democrata Nem Direita Nem Esquerda

    A demência aumenta cada dia mais. Esse mundo está doente, chato e insuportável. Bons tempos das mulheres que nem depilação faziam.

    Curtir

  3. Realmente , o mundo está muito louco .

    Curtir

  4. Wesley dos Santos Caiapó

    Cada pessoa sabe o que lhe incomoda. Já ouvi relatos de ao menos duas mulheres que se sentem desconfortáveis com o problema. E não só as mulheres passam por isso. Eu fiz postectomia quando já era adulto. O problema me incomodava psiciologicamente e me senti melhor depois da cirurgia. Entendo que crianças precisam de uma avaliação melhor, mas se tiver recomendação médica, não vejo porque não fazer.

    Curtir

  5. Alexandre Ferreira Cipriano

    Só me faltava essa… mundo cada vez mais de cabeça para baixo.

    Curtir

  6. Esorso Elizabeth

    O que esperar de amebas que pensam que a vida só exste nas redes sociais. Podres mesmo antes de irem para a cova.

    Curtir

  7. Aldo Verossimo

    Uma nova onda de perversão sexual se insinua fortemente: pedofilia legalizada, patrocinada pela mídia e, em breve, pela ONU.

    Curtir

  8. Alex Cardozo

    A censura da Veja deleta meu comentário…a imprensa no Brasil é bem democrática. Viva as pessoas que tem a vagina no lugar do cerébro.

    Curtir

  9. Marcos de Almeida Lima

    O humanismo defende liberdade para tudo, até para se mutilar e sangrar.
    O PT é filho dessa doutrina.

    Curtir