‘Junk food’ pode ser tão viciante quanto heroína

Um novo estudo americano revela que comer alimentos ricos em gordura, como hambúrgueres, batatas fritas e salsicha, pode ser tão viciante quanto fazer uso de drogas pesadas, como a heroína e a cocaína. De acordo com os pesquisadores, a chamada junk food programa o cérebro humano para sentir cada vez mais vontade de ingerir açúcar, sal e gordura, alterando assim os padrões de saciedade e prazer.

Para o estudo, cientistas do Scripps Research Institute, na Flórida, dividiram um grupo de ratos em três equipes. Uma delas recebeu uma quantidade normal de comida saudável, enquanto a outra recebeu quantidades restritas de junk food. Já a terceira equipe tinha ao seu dispor quantidades ilimitadas de comidas calóricas como bolos, tortas, carnes gordas e chocolates.

Nas duas primeiras equipes, os pesquisadores não encontraram nenhum efeito colateral. No entanto, os ratos da terceira equipe se tornaram obesos rapidamente e passaram a comer compulsivamente. Quando os cientistas estimularam eletronicamente as partes do cérebro responsáveis pelo prazer, eles descobriram que os ratos que tinham acesso a quantidades ilimitadas de junk food precisavam de cada vez mais estímulos para registrar a mesma quantidade de prazer que os animais com dietas saudáveis.

“Eles sempre recorriam às piores comidas e, como resultado, precisavam de duas vezes mais calorias do que os ratos controlados”, contou Kenny. “Quando removíamos as comidas calóricas e dávamos a eles uma dieta mais saudável, eles simplesmente se recusavam a comer”, afirmou o pesquisador.

Tratamento – O estudo, publicado no site especializado Nature Neurosciense, sugere pela primeira vez que nosso cérebro pode responder à ingestão de junk foods da mesma maneira como responde às drogas – o que pode significar uma revolução no tratamento da obesidade.

Paul Kenny, coordenador da pesquisa, disse que o estudo, que levou cerca de três anos para ser concluído, confirma as propriedades viciantes desse tipo de comida. “A obesidade pode ser um tipo de alimentação compulsiva”, afirma Kenny. “Outros tipos de tratamentos desenvolvidos para outras formas de compulsão, como o vício em drogas, podem ser bastante efetivos contra a obesidade”, acrescentou.

“Nosso estudo revela o que acontece no cérebro desses animais quando eles têm fácil acesso a comidas altamente calóricas e gordurosas. Ele nos mostra evidências de que o vício em drogas e a obesidade são baseados nos mesmo mecanismos neurobiológicos”, finalizou o pesquisador, que alerta que mais pesquisas ainda são necessárias para ratificar a existência desta ligação.