Cientistas chilenos desenvolvem vacina contra o alcoolismo

Vírus induziria mutação genética nas células do fígado, que pode inibir o vício

Vacina se baseia na mutação genética natural apresentada por 20% da população asiática, que não conseguem metabolizar corretamente o álcool

Cientistas chilenos trabalham no desenvolvimento da primeira vacina contra o alcoolismo, baseada em uma mutação genética presente em 20% da população asiática, que, de forma natural, sofre consequências tão severas ao consumir álcool que isso inibe seu vício, explicou o médico coordenador do projeto.

Estas populações não têm um gene que produz a enzima aldeído desidrogenase, que metaboliza o álcool no organismo. Sem essa enzima, ao beber ocorre uma reação muito forte, segundo o médico da Universidade do Chile, Juan Asenjo, chefe dos pesquisadores.

A vacina, portanto, aumentaria os enjoos, a sensação de náusea e a vasodilatação nos viciados. “Com a vacina, a vontade de beber será muito pequena devido às reações”, explica o médico. O princípio já foi testado com sucesso em ratos, nos quais o consumo do álcool diminuiu em 50%. “A ideia é que nos seres humanos o consumo de álcool diminua entre 90 e 95%”, acrescentou.

Vírus – A vacina consiste em induzir a mutação nas células do fígado através de um vírus que transmite esta informação genética. Atua sob o mesmo princípio sobre o qual são elaborados os adesivos (patches) e remédios utilizados para controlar o vício em álcool, mas sua eficácia seria maior porque, diferentemente das fórmulas anteriores, não depende da vontade imediata do paciente e tem menos efeitos colaterais. “A vacina é específica para as células do fígado. Os emplastros afetam todas as células e têm muitos efeitos colaterais”, explicou Asenjo.

Após demonstrar seu princípio ativo, os cientistas trabalham agora para cultivar as células necessárias para produzir o vírus em reatores e em grandes quantidades. Depois vem a fase de otimizar a produção, purificar o vírus e a aprovação por parte de diferentes comitês de ética e institutos de saúde pública.

“Durante este ano será feita a produção em grande escala e depois serão realizados testes pré-químicos em animais para determinar a dose. Posteriormente, em 2012, serão realizados testes químicos na fase 1 em humanos”, explicou Asanjo. Se os resultados em humanos forem bem-sucedidos, bastaria que o paciente tomasse a vacina uma vez por mês para começar a sentir os sintomas por um período prolongado, o que desestimularia o vício.

(Com agência France-Presse)