Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Ansiedade aumenta risco de sofrer derrame

Estudo mostra que ansiosos têm 33% mais chance de ter um acidente vascular cerebral

Pela primeira vez, um estudo científico provou que a ansiedade crônica é suficiente para aumentar o risco de uma pessoa sofrer um acidente vascular cerebral (AVC). Em pesquisas anteriores, o derrame esteve associado a uma combinação de ansiedade e depressão. A descoberta foi relatada em um artigo publicado nesta quarta-feira no periódico Stroke, mantido pela Associação Americana do Coração.

CONHEÇA A PESQUISA

Título original: A prospective study of anxiety and incident stroke

Onde foi divulgada: Periódico Stroke

Quem fez: Maya Lambiase, Laura D. Kubzansky e Rebecca Thurston

Instituição: Universidade de Pittsburgh, nos Estados Unidos

Dados de amostragem: Dados obtidos a partir de exames e entrevistas com 6 019 voluntários ao longo de 22 anos

Resultado: Os pesquisadores descobriram que sofrer de ansiedade crônica pode aumentar em até 33% o risco de derrame

Os pesquisadores acompanharam 6 019 pessoas que tinham entre 25 e 74 anos no início do estudo. Durante 22 anos, os voluntários realizaram exames médicos e responderam a questionários sobre ansiedade. No fim da experiência, os cientistas concluíram que o risco de os indivíduos mais ansiosos sofrerem um AVC é 33% maior.

Leia mais:

Homens que comem chocolate sofrem menos AVC, afirma estudo

Pílula à base de tomate pode evitar ataque cardíaco e AVC

Motivos – Segundo os responsáveis pelo trabalho, os níveis elevados de hormônios relacionados ao stress, a frequência cardíaca e a pressão arterial dos ansiosos podem explicar o resultado do estudo. Além disso, quem sofre de ansiedade crônica é mais propenso a manter hábitos prejudiciais à saúde cardíaca, como fumar e não praticar exercícios físicos regularmente.

Maya Lambiase, principal autora do estudo e pesquisadora da Universidade de Pittsburgh, nos Estados Unidos, explica que sentir ansiedade em alguns momentos da vida é normal – o perigo começa quando a sensação se torna cotidiana. “Ansiedade muito grande ou crônica pode impactar o sistema vascular da pessoa depois de alguns anos”, afirma.