A emocionante história de um casal com Alzheimer

Casados há 68 anos, Ward e Eloise Hill foram diagnosticados com Alzheimer e combatem o transtorno unidos em uma clínica especializada nos Estados Unidos

Ward e Eloise Hill se conheceram em 1945 no colégio. Foi amor à primeira vista. Casaram-se três anos depois. Ela era professora de piano e ele ensinava teologia. Sete décadas mais tarde, permanecem unidos, mas agora vivem em uma clínica especializada em pacientes com Alzheimer — transtorno caracterizado por confusões de memória, alterações sutis de comportamento e dificuldade de expressão –, em Nebraska, nos Estados Unidos. A história foi contada pela fotógrafa Allison Hess, que acompanhou o casal por oito meses.  Intitulado “A Light in the Dark” (Uma Luz na Escuridão, em tradução livre), o trabalho foi publicado com exclusividade pela rede CNN.

Hess inspirou-se em sua própria história para documentar a história de amor ameaçada por um distúrbio capaz de apagar lembranças. “Quando minha avó foi diagnosticada com Alzheimer há dois anos, eu não sabia o que pensar. Como muitos, eu não sabia nada sobre uma doença que tinha transformado uma mulher que eu cresci idolatrando em uma que mal me reconhecia. Quanto mais tempo eu passava com ela, mais eu vim a descobrir que o diagnóstico da doença de Alzheimer é simplesmente isso: um rótulo”, escreveu em sua conta do Instagram, junto com a foto que ilustra este texto. “Nos últimos oito meses, tive a oportunidade de passar um tempo com Ward e Eloise, casados por 68 anos e que sofrem de Alzheimer”.

A história

Ward foi diagnosticado com Alzheimer primeiro, há dois anos. Eloise, por sua vez, descobriu sofrer do mesmo transtorno alguns meses depois. Inicialmente, Eloise não queria se mudar para a clínica. Com o tempo, porém, percebeu que precisaria da ajuda dos cuidadores profissionais. Ela não conseguiria cuidar sozinha dela e do marido. “Eloise é extremamente bondosa, mas não tem medo se posicionar sobre alguma coisa. Como a condição de seu marido é pior que a dela, sinto que é incrivelmente forte”, contou Hess à CNN.

Eloise ainda se lembra de como eles se conheceram.  Já Ward tem breves lapsos de memória. Nesses momentos, não consegue nem reconhecer a própria esposa ou a confunde com outras mulheres que moram na clínica. A intimidade entre os dois, contudo, permanece. Mesmo quando está confuso, Ward recorre à amada, segurando sua mão ou sussurrando perguntas em seu ouvido.  Apesar da doença, os dois continuam íntimos e unidos.

Leia também:

Tratamento experimental contra Alzheimer tem resultado promissor

10 formas de prevenir o Alzheimer e a perda de memória

O Alzheimer

Poucas doenças são tão cruéis quanto o Alzheimer. Conforme avança, mais e mais neurônios morrem, apagando datas, nomes, rostos e lembranças. Principal causa de demência em pessoas a partir dos 60 anos, o Alzheimer tornou-se mais comum com o aumento da expectativa de vida, fenômeno global. Atualmente, 44 milhões de pessoas no mundo sofrem do mal, 1,2 milhão delas no Brasil. Até 2030, o número de doentes brasileiros deve dobrar.

 

Comentários
Deixe uma resposta

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s