Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Cinco marcas de protetor solar não passam em teste de qualidade

Pesquisa da Proteste que analisou a qualidade de 10 marcas mostrou que metade apresentou fator de proteção inferior à indicada na embalagem

Em teste de qualidade realizado pela Proteste, cinco marcas de protetor solar para o rosto apresentaram fator de proteção inferior ao indicado na embalagem. Dos dez produtos testados, um também apresentou menor proteção contra raios UVA do que prevê a legislação. A Proteste solicitou uma fiscalização mais adequada dos produtos e pediu aos fabricantes que corrijam a informação nos rótulos dos protetores solares.

Das dez marcas testadas,  cinco não apresentaram o fator de proteção solar (FPS) que consta no rótulo:  Sundown, L’Oreal, ROC, Sunmax e La Roche Posay. O La Roche Posay tinha um FPS 42% menor do que o indicado. A metodologia da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) permite uma variação de até 17% em relação ao que é informado na embalagem e a formulação do produto, mas nessas cinco marcas, a diferença de percentual foi superior à permitida.  

Também foi avaliada a proteção UVA dos produtos. Desde 2012 a legislação brasileira determina que, nos filtros solares, a proteção UVA deve ser um terço do FPS. Ou seja: um protetor com FPS 60 precisa ter proteção UVA igual a 20, no mínimo. O protetor da L’Oreal foi considerado ruim por apresentar 26% do FPS rotulado ao invés dos 33% exigidos para UVA.

Os raios UVA atingem as camadas mais profundas da pele e são os principais responsáveis pelo envelhecimento precoce, bronzeamento, além de também contribuírem para o câncer de pele. Já o FPS avalia a capacidade de os produtos filtrarem a radiação do tipo UVB, que atinge a camada mais superficial da pele, podendo causar vermelhidão, queimaduras e câncer de pele.

O valor de FPS consiste na razão entre o tempo de exposição à radiação ultravioleta necessário para produzir vermelhidão na pele protegida pelo protetor solar e o tempo, para o mesmo efeito, com a pele desprotegida. Quando se usa um filtro solar com FPS 30, por exemplo, a mesma pele leva 30 vezes mais tempo para ficar vermelha. Por isso, saber o exato fator de proteção é fundamental, pois indica o quanto se está protegido contra essa radiação.

O consumidor é duplamente prejudicado com essas alterações, pois além de pagar um preço mais caro por uma proteção que não é oferecida – o valor do produto é proporcional ao Fator de Proteção Solar, ou seja, quanto mais alto o FPS, mais caro -, ele está menos protegido dos efeitos nocivos dos raios solares.

O posicionamento da Sociedade Brasileira de Dermatologia

A Sociedade Brasileira de Dermatologia, única instituição reconhecida pela Associação Médica Brasileira (AMB) e Conselho Federal de Medicina (CFM), como representante dos dermatologistas no Brasil recebeu uma publicação da Associação PROTESTE com resultados relativos a testes realizados com protetores solares no Brasil e esclarece:
1. Os resultados mostrados pela PROTESTE devem ser analisados com muita cautela.
2. A metodologia utilizada para realização de testes com protetores solares deve ter rigorosa comprovação científica. Variações de métodos podem produzir resultados díspares, levando a conclusões equivocadas.
3. Os testes que medem a proteção à radiação UVB chamado FPS e os testes que medem a proteção à radiação UVA, são complexos, com pormenores e detalhes técnicos que podem interferir significativamente no resultado final
4. A Sociedade Brasileira de Dermatologia desconhece os métodos utilizados pela PROTESTE para realizar os testes com filtros solares e desconhece também o laboratório que os realizou. Da mesma forma, esta Sociedade não acusa o recebimento das análises técnicas efetuadas, que serviram como base para os resultados que porventura possam ser publicados.
5. A Sociedade Brasileira de Dermatologia entende que, sem a análise detalhada dos dados completos relativos ao estudo publicado pela PROTESTE, NÃO pode reconhecer os resultados apresentados.
6. Do ponto de vista de saúde pública, o mais importante é que o usuário de protetores solares faça uso continuado e em quantidade adequada destes produtos, cujo objetivo principal é a prevenção do câncer da pele, que é o tipo de câncer mais comum na população brasileira.
Diante destes esclarecimentos, a Sociedade Brasileira de Dermatologia, única representante de mais de 8100 dermatologistas no Brasil repudia qualquer divulgação precipitada, equivocada e alarmista que comprometa suas orientações de proteção solar e reforça que o uso do filtro solar continua sendo uma das mais importantes formas de prevenção do câncer da pele.

A Sociedade Brasileira de Dermatologia estimula o uso continuado dos fotoprotetores e reforça sua credibilidade nos filtros solares brasileiros que são regulados pela ANVISA e considerados inclusive como referência mundial na tecnologia utilizada na sua fabricação.

Concluindo, a Sociedade Brasileira de Dermatologia vê com muita preocupação a divulgação de testes que, sem as devidas comprovações científicas/dermatológicas, podem desestimular o uso do protetor solar, o que seria um comportamento extremamente perigoso, especialmente no Brasil onde a incidência do câncer da pele é alarmante.

O posicionamento da L’Oréal

A L’Oréal divulgou seu posicionamento sobre os testes da Proteste. Leia, a seguir, o texto na íntegra.

A L’Oréal refuta, de forma absoluta, os resultados apresentados pela Proteste e desconhece os critérios utilizados na realização dos testes em protetores solares conduzidos por esta entidade. O Grupo e suas marcas La Roche-Posay e L’Oréal Paris não foram informados sobre o laboratório no qual foram feitos esses testes, tampouco as condições e os resultados detalhados dos mesmos.

A L’Oréal reafirma seu compromisso com a saúde da população brasileira e fornece produtos seguros e de alta eficácia. Todos os testes de nossos produtos solares – em particular os referentes a segurança e eficácia – foram analisados e aprovados pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), conforme regulamentação sanitária vigente.

Ao contrário da Proteste, a L’Oréal apresenta, com total transparência, as análises feitas por laboratórios independentes e de reconhecimento mundial, utilizando as metodologias ISO 24444:2010 (FPS) e ISO 24442:2011 (PPD).

Os testes dos produtos Anthelios XL Fluide FPS 70 (La Roche-Posay) e Solar Expertise Invisilight FPS 50 (L’Oréal Paris), que foram feitos nos laboratórios Dermscan, IEC France e Poland Dermscan, apresentam resultados absolutamente divergentes dos informados pela Proteste, conforme abaixo:

Resultados:

Anthelios XL Fluide FPS 70

(testes realizados pelo Laboratório Dermscan):

FPS = 85,4

UVA: 44,5

 Solar Expertise Invisilight FPS 50

(testes realizados pelos Laboratórios IEC France e Poland Dermscan):

FPS = 58,9

UVA: 23,2

O posicionamento da Associação Brasileira da Indústria de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos

A Associação Brasileira da Indústria de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos refuta, mais uma vez, os dados divulgados pela Proteste relativos à eficácia dos protetores solares.

A Proteste vem utilizando, ao longo dos anos, testes não reconhecidos pela comunidade científica internacional, apresentando resultados altamente questionáveis sobre produtos que há anos são consolidados no Brasil e no mundo. Apesar de mencionar na presente comunicação ter seguido as metodologias requeridas pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), a Proteste continua não informando o laboratório que realizou a análise e não fornece os detalhamentos necessários que asseguram as condições em que foram feitos os testes.

Em um país com a segunda maior incidência de câncer da pele no mundo, é absurdo que um órgão ainda se manifeste de forma tão leviana contra o trabalho sério desenvolvido por indústrias, entidades científicas e autoridades na busca contínua da maior proteção para o consumidor. É importante lembrar que as indústrias de higiene pessoal, perfumaria e cosméticos são reguladas pela Anvisa, órgão de alto respeito nacional e internacional que exige a comprovação da eficácia e segurança dos protetores solares via métodos validados internacionalmente.

Estamos convencidos de que a divulgação de informações de natureza no mínimo duvidosa, como as feitas pelo Proteste, induzirá o consumidor ao erro de repensar o uso de produtos essenciais do setor para proteção solar, podendo trazer grande prejuízo tanto para a saúde das pessoas quanto para a própria indústria nacional de higiene pessoal, perfumaria e cosméticos.

Posicionamento da Johnson & Johnson

A Johnson & Johnson Consumo, detentora das marcas SUNDOWN® e ROC®, reafirma seu compromisso com o consumidor na oferta de produtos de qualidade e na busca constante pela inovação e tecnologia dedicadas à saúde e ao bem-estar dos brasileiros. SUNDOWN® e ROC® oferecem o FPS declarado em suas embalagens, seguem a legislação nacional e são aprovados pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária).

Vale reforçar que todos os produtos da linha SUNDOWN®, assim como os da ROC®, além de serem testados e aprovados pela Anvisa, também são validados por metodologias utilizadas por órgãos internacionais, como o FDA (Food and Drug Administration, dos Estados Unidos) e a CCE (Comunidade Comum Europeia).

Em resposta ao teste realizado pela Pro Teste (Associação Brasileira de Defesa do Consumidor), a Johnson & Johnson Consumo informa que não teve acesso a informações específicas sobre a metodologia, o que impede uma análise concreta e fidedigna dos resultados.

A Proteste responde às instituições

A PROTESTE Associação de Consumidores vem reafirmar o estudo realizado com Protetores Solares faciais e divulgado em 28 de Novembro de 2016, em que 5 produtos foram mal avaliados por apresentar proteção abaixo da informada na rotulagem. Informamos que todos os fabricantes e as entidades foram informados dos resultados obtidos nas análises, para providências.

Surpreendentemente a maior reação adversa tem surgido por parte da Sociedade Brasileira de Dermatologia contestando os resultados do nosso teste. A PROTESTE estranha esse comportamento, apesar de parecer que os nossos interesses sejam comuns na salvaguarda da saúde pública e na proteção da pele dos consumidores.

A única resposta que a PROTESTE pode dar é que irá até as últimas consequências para salvaguardar a credibilidade do seu trabalho, dos seus estudos e dos seus pesquisadores. A PROTESTE move-se com uma única finalidade: a verdade e a transparência da informação aos consumidores. A associação considera que o uso do protetor é importante e aponta opções de produtos adequados, inclusive com preços mais acessíveis no mercado (Nivea Sun FPS 60; Cenoura e Bronze FPS 50, e Natura FPS 60, por exemplo).

Nos seus 15 anos de existência, e nos mais de 50 anos de outras organizações que utilizam metodologias semelhantes e laboratórios capacitados e com reconhecimento internacional para a realização das análises, muitos setores quiseram negar as evidências. O tempo encarrega-se de demonstrar quem tem razão.

Aos produtores e distribuidores a PROTESTE continua a indicar o caminho: corrijam a situação, afinal os consumidores também são seus clientes. Com a saúde dos brasileiros não se brinca!

E a PROTESTE reafirma toda sua disponibilidade para o diálogo com todos os atores, fabricantes, entidades, sociedades e associações, para a melhoria dos produtos.

Essa foi a quarta vez que a Proteste testou protetores solares. Embora agora tenha sido analisada a versão para o rosto, os resultados mostraram que o problema de discrepância entre o indicado nos rótulos e a real proteção oferecida persiste. Diante disso, a organização solicitou uma fiscalização mais adequada dos produtos, pediu as fabricantes dos produtos que não passaram no teste que corrijam a informação nos rótulos e que a Secretaria Nacional do Consumidor (Senacon) obrigue os fabricantes a fazer um recall desses protetores.

O uso diário do protetor solar protege contra o envelhecimento precoce da pele, colabora para a prevenção de manchas e marcas de expressão causadas pela exposição excessiva ao sol, e problemas de problemas mais sérios como o câncer de pele, que corresponde a 30% dos tumores malignos registrados no Brasil.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Mustafah Ibrahim Ahrimen

    Em Abder el Salam minha família sempre usou sebo de bode velho…nunca ví nenhum caso de câncer de pele!

    Curtir

  2. Camila Bachur

    Eu tenho a pele muito clara e parei de usar o da Loreal pq queimava meu rosto, mesmo dizendo ser FPS 50, passei a usar o Copertone de 35 e não queima meu rosto.

    Curtir

  3. Susanne Breit

    E as que foram aprovadas?? Quais as marcas??

    Curtir

  4. Pâmela Pontes

    E os protetores solares da marca Avon, não foram analisados?

    Curtir

  5. Creio que seja vdd sim porque durante anos usei o lá roche diariamente e não fui impedida de ter melasma

    Curtir

  6. Henrique Tavares Heijhow

    Meus queridos abram os olhos. O que a proteste faz é mostrar a realidade. E se leram corretamente, viram que os protetores protegem! Porém menos do que deveriam de acordo com o rótulo. Isso não quer dizer que são ruim, apenas estão usando de propaganda enganosa.

    Curtir

  7. Valeria Ferreira

    O MAIS IMPORTANTE VCS NÃO COLOCARAM QUE SÃO AS MARCAS QUE PASSARAM.

    Curtir

  8. Napoleao Gomes

    No Brasil nem as marcas de papel higiênico são honestas. Haja visto que não mais apresentam a metragem do papel nas embalagens. As telefônicas medem o minuto com dezenas de segundos a menos, as internets oferecem 20 no contrato, mas podem entregar só 3 segundo as leis. Que tal uma rebelião de consumidores???

    Curtir

  9. Nathan Khornnes

    A “Veja”, veja so’, esta’ omitindo o nome dos bois. Ora, omissao nao e’ papel do jornalismo. Ha’ que matar a cobra e mostrar o pau. Por que nao dar nome aos produtos que nao passaram nos testes de confiabilidade? Ate’ tu, brutus? Perdi a admiracao pela revista VEJA.

    Curtir

  10. Alan Brizola

    Só queria entender por que a Sociedade Bras de Dermatologia já soltou uma nota desprestigiando, nitidamente, a PROTESTE. Ela deveria, penso, adotar uma postura mais neutra.

    Curtir