Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

‘Vocês fizeram o Mês Lula na Lava Jato’, acusa ex-presidente

Petista atacou Moro e o MP e disse que trabalharam "para trazer todo mundo pra falar uma senha chamada Lula"

Alvo de cinco ações penais relacionadas ao petrolão, o ex-presidente Lula disse, em depoimento nesta quarta-feira ao juiz Sergio Moro, que, nas últimas semanas, a Lava-Jato fez um esforço concentrado para buscar acusações contra ele. “Aqui na sua sala estiveram 73 testemunhas. Grande parte, de acusação do Ministério Público. E nenhuma me acusou. O que aconteceu nos últimos 30 dias, doutor Moro, vai passar para a história com o mês Lula, porque foi o mês em que vocês trabalharam, sobretudo o Ministério Público, para trazer todo mundo pra falar uma senha chamada Lula. O objetivo era dizer Lula. Se não dissesse Lula, não valia.”

Moro se incomodou, e perguntou: “O senhor entende que existe uma conspiração contra o senhor?”. Lula prosseguiu na crítica, dizendo que a Lava-Jato prende para obter acordos de delação premiada – e que isso teria levado o empreiteiro Léo Pinheiro a acusá-lo. “Eu entendo e acompanho pela imprensa que pessoas, como o Léo Pinheiro, (que) está já há algum tempo querendo fazer delação, primeiro foi condenado a 23 anos de cadeia, depois se mostra na televisão como é que se vive a vida de nababos dos delatores e o cara fala: ‘porra, eu tô condenado a 23 anos e os delatores pagaram uma parte e estão vivendo essa vida?’, sabe? Então delatar virou na verdade quase que o alvará de soltura dessa gente.”

Ele aproveitou para atacar o procurador Deltan Dallagnol, coordenador da força-tarefa da Lava-Jato em Curitiba, e sua famosa apresentação de Power Point em que acusou o ex-presidente de ser o chefe do petrolão. “Eu tenho acompanhado, tô atento e tô percebendo e vou discutir em algum momento o contexto. O contexto está baseado num Power Point mentiroso, malfeito, da Operação Lava-Jato. Aliás, o doutor Dallagnol que fez a apresentação não tá aqui. Deveria estar aqui, para ele explicar aquele famoso Power Point. Aquilo é uma caçamba, onde cabe tudo. Aquele Power Point não está julgando pessoa física ou pessoa jurídica. Está julgando o Lula presidente da República, e isso eu quero discutir”. Moro, mais uma vez, ignorou. O interrogatório do petista foi acompanhado não por Dallagnol, mas pelos procuradores Carlos Fernando Lima, Roberson Pozzobon e Julio Noronha.

No depoimento, o petista disse desconhecer que o dinheiro investido pela OAS na reforma do tríplex tenha saído de uma conta-propina abastecida com dinheiro desviado da Petrobras. E aproveitou para defender o companheiro João Vaccari Neto, ex-presidente da cooperativa que iniciou as obras no prédio do Guarujá e ex-tesoureiro do partido. “Tanto quanto eu, a Bancoop foi tachada de organização criminosa pelo Ministério Público. Faz dois meses que a Bancoop foi absolvida, o Vaccari foi absolvido e ninguém que o acusou teve coragem de pedir desculpas.”

O ex-presidente se referia a um processo que correu na Justiça de São Paulo. Lula admitiu que conversava regularmente com Vaccari, inclusive no período das negociações do tríplex. Mas disse que nunca tratou com ele sobre o imóvel. Indagado por Moro se tinha conhecimento de que Léo Pinheiro mantinha uma contabilidade paralela com recursos de propina, ele negou. E, referindo-se ao empreiteiro, até recentemente seu amigo in pectore, arrematou: “Se tivesse (conhecimento), ele (Léo Pinheiro) seria um preso bem antes”.