Vídeo mostra assessor negociando com jovem que acusa Feliciano

Para a Polícia Civil, gravação desmente depoimentos de Patrícia Lélis e Talmo Bauer sobre sequestro da jornalista, que acusa deputado de assédio

Um vídeo em posse da Polícia Civil de São Paulo mostra uma negociação entre a jornalista Patrícia Lélis, que acusa o deputado Marco Feliciano (PSC-SP) de assédio, tentativa de estupro e agressão, e o chefe de gabinete do parlamentar, Talma Bauer. No diálogo, Bauer pergunta se o dinheiro que entregou a um emissário de Patrícia seria o suficiente para ela “se resolver”. Ao que a jovem responde: “Os 10.000 (reais)?”. Os investigadores acreditam que o dinheiro serviria para comprar o silêncio da jornalista sobre as acusações contra Feliciano. Na ocasião, o caso ainda não havia se tornado público. A gravação deixa claro que a jovem pediu e recebeu dinheiro do assessor, mas não esclarece se isso foi feito para evitar a denúncia contra Feliciano. Também não é possível concluir se houve ou não o crime de estupro. Patrícia denunciou Bauer por sequestro e ameaça – crimes já descartados pela polícia. Ele, que chegou a ser preso, afirmou em depoimento que não tentou subornar a jornalista, alegação também desmontada pelo vídeo.

A gravação é considerada por investigadores a principal prova de que a jornalista e o chefe de gabinete do deputado mentiram em seus depoimentos. O inquérito da Polícia Civil de São Paulo apura apenas a conduta de Bauer – e não as acusações da jovem contra o deputado. A polícia cogita agora indiciar tanto Patrícia quanto Bauer. Ela, por extorsão e falsa comunicação de crime. Ele, por favorecimento pessoal.

Leia também: PSC mantém Feliciano na liderança da sigla e processará jovem

A conversa gravada ocorreu em 30 de julho, por volta das 18 horas, no Hotel San Rafael, no Centro de São Paulo. Com eles está Emerson Biazon, que se apresenta como assessor do PRB. Ele contou à polícia ter participado de toda a negociação entre Patrícia e Bauer para que ela não denunciasse Feliciano publicamente. Na noite do último domingo, Patrícia registrou boletim de ocorrência contra Feliciano em uma delegacia de Brasília, por tentativa de estupro, assédio sexual e agressão. Segundo o relato, o crime aconteceu na manhã do dia 15 de junho, no apartamento funcional do parlamentar na capital federal. Um pedido de apuração sobre o caso está nas mãos do procurador-geral da República, Rodrigo Janot.

Na gravação, Patrícia e Bauer tratam do pagamento e ele afirma que já repassou 50.000 reais a Arthur. Para a polícia, trata-se de Artur Mangabeira, um conhecido de Patrícia que teria intermediado o pagamento. Mangabeira, como indica a gravação, afirmou à jornalista que recebeu de Bauer a quantia de 10.000 reais. Ao ser informada de que o valor foi superior, Patrícia demonstra surpresa. Ela chega a pedir a Bauer que “faça alguma coisa” contra Mangabeira.

Patrícia ficou hospedada por uma semana no hotel em que se dá o diálogo gravado. Recebeu a visita da mãe e fez passeios por São Paulo no período. Para a polícia, são mais indícios de que ela não foi mantida em cárcere privado, como alega. Os investigadores também obtiveram fotos em que Patrícia e Bauer são retratados em momentos de descontração, dentro do carro e em restaurantes. O advogado José Carlos Carvalho, que defende Patrícia, negou que ela tenha recebido dinheiro de Feliciano e que todos os vídeos gravados na companhia do chefe de gabinete do parlamentar foram feitos sob coação. 

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. f

    Curtir

  2. Segundo matéria do Conexão Repórter, alguns fatos foram evidenciados:

    Curtir