URGENTE: JBS é alvo de ação da Polícia Federal

Operação foi deflagrada nesta manhã e apura lucros obtidos a partir de delação premiada

Três semanas após a homologação da delação premiada que empareda o governo Michel Temer, as empresas da família de Joesley Batista são alvo, na manhã desta sexta-feira, de uma operação da Polícia Federal que investiga ganhos que o grupo teve no mercado com informações privilegiadas sobre a colaboração firmada com a Procuradoria-Geral da República.

A ação foi deflagrada pouco depois das 10 horas da manhã. Os agentes estão na sede da JBS e também da FB Participações, outra empresa controlada pela família. Os investigadores apuram se os controladores do conglomerado obtiveram lucros com a compra de dólares e a venda de ações do grupo às vésperas de virem a público informações sobre a delação premiada.

Estima-se que, apenas com operações de câmbio, o grupo tenha lucrado mais de 600 milhões de reais horas antes do vazamento das primeiras informações sobre a delação premiada. As transações também são investigadas pelo Banco Central, como informou a última edição de VEJA.

A investigação busca provas de que as transações foram planejadas a partir da informação privilegiada sobre o acordo: a suspeita é de que, sabendo que a revelação da delação mexeria com o mercado, os controladores do grupo se articularam para ganhar dinheiro, comprando dólares e se desfazendo de ações que, sabidamente, perderiam valor nas horas seguintes.

O desenrolar do caso tem potencial para pôr em xeque o destino dos irmãos Joesley e Wesley Batista, que no acordo firmado com a Procuradoria obtiveram o compromisso de não ser penalizados e o direito de morar no exterior – tão logo foram  fechados os termos da colaboração, Joesley Batista, por exemplo, mudou-se para Nova York.

Se comprovadas as suspeitas, os empresários podem ser presos, uma vez que eventuais crimes cometidos nos negócios feitos às vésperas da delação não estariam abarcados no acordo de colaboração.

A delação premiada de Joesley Batista, de seu irmão Wesley e de alguns dos principais executivos da companhia deu origem à maior crise do governo de Michel Temer. Em março, Joesley gravou secretamente uma conversa com o presidente, no Palácio do Jaburu.

Entre os temas tratados no encontro estavam pagamentos feitos pelo empresário ao ex-deputado Eduardo Cunha e ao operador de mercado Lúcio Bolonha Funaro, que ameaçam contar segredos capazes de comprometer o governo Temer e a cúpula do PMDB. Joesley também relatou a Temer sua estratégia para barrar investigações que miram o grupo – entre as providências, estavam pagamentos a um procurador da República.

A partir das revelações da delação, Michel Temer virou alvo um inquérito no Supremo Tribunal Federal. Ele é o primeiro presidente da República investigado, no exercício do cargo, por corrupção passiva, obstrução de Justiça e organização criminosa.

Em nota, o grupo J&F, que controla a JBS, informou que as duas empresas entregaram os materiais e documentos pedidos pelas autoridades durante a operação desta sexta-feira. Sobre as supostas irregularidades no mercado de câmbio, o grupo explicou que “tem como política a utilização de instrumentos de proteção financeira visando, exclusivamente, minimizar os seus riscos cambiais”.

Confira o texto enviado pela assessoria da J&F na íntegra:

Em relação à operação realizada na sede da J&F e da JBS hoje (09.06), as empresas informam que foram entregues os materiais e documentos solicitados. A Companhia segue colaborando e está à disposição das autoridades para quaisquer esclarecimentos necessários.

Todas as operações de compra e venda de moedas, ações e títulos realizadas pela J&F, suas subsidiárias e seus controladores seguem as leis que regulamentam tais transações. ​ Em relação às operações de câmbio, a ​JBS esclarece que gerencia de forma minuciosa e diária a sua exposição cambial e de commodities. A ​empresa tem como política a utilização de instrumentos de proteção financeira visando, exclusivamente, minimizar os seus riscos cambiais.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Gabriel Arcanjo

    Acho melhor chamar o Janot E O fACHIN para explicar como estas transações, não foram eles que fizeram o acordo espúrio com os açougueiros bandidos.

    Curtir

  2. Comecem investigando os 2 apressadinhos.

    Curtir

  3. Compro e vendo ações Bovespa a mais de 22 anos e decisão de compra e venda é no que o mercado manda .Os grandes empresários além de trabalhar com dinheiro dos acionista pagando juros mais baratos com promessas de dividendo que é a maior enganação vivem de jogar notícias ruins no mercado como jbs um dia antes para terem lucros.E os mais ferrados são os investidores.Polícia Federal não vai encontrar nada.Bovespa é como uma roleta russa ou um cassino.Sorte para poucos

    Curtir