STF abre inquérito contra Feliciano por suspeita de abuso sexual

Jornalista também acusa o deputado de estupro e agressão. A polícia de SP pediu a prisão preventiva dela por denunciação caluniosa e extorsão

O ministro Luiz Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), autorizou a abertura de um inquérito para investigar o deputado federal Marco Feliciano (PSC-SP) por suspeita de abuso sexual. O caso tramita sob segredo de Justiça na Corte.

No final de agosto, a Procuradoria-Geral da República (PGR) pediu a abertura de investigação contra o parlamentar, atendendo requerimento da Delegacia Especial de Atendimento à Mulher da Polícia Civil do Distrito Federal. A delegacia recebeu denúncia da jornalista Patrícia Lélis, de 22 anos, que afirmou ter sofrido tentativa de estupro, assédio sexual e agressão pelo parlamentar.

LEIA TAMBÉM:
Vídeo mostra assessor negociando com jovem que acusa Feliciano

A jovem também disse à polícia que sofreu coação e foi ameaçada pelo chefe de gabinete de Feliciano, Talma Bauer, pois pretendia denunciar o parlamentar. As ameaças teriam sido feitas durante uma semana em que esteve em São Paulo, entre os dias 30 de julho e 5 de agosto.

A Polícia Civil de São Paulo, porém, encerrou o inquérito que investigava a acusação da jovem contra Bauer e ainda decidiu pelo pedido de prisão preventiva da jornalista, por denunciação caluniosa e extorsão.

Com a abertura do inquérito formalizada no STF, a Polícia Federal e o Ministério Público podem investigar o caso, solicitando diligências ou depoimento de testemunhas.

(com Estadão Conteúdo)

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Estranho, muito estranho o Delgado encerrar a investigação pedindo a prisão da suposta vítima e o STF, entender que ha fundamentos para prosseguir com a s investigações. Precisamos repensar nosso Delegados…

    Curtir

  2. Mateus Carvalho

    A verdade Lúcio Alves, é que qualquer coisa vinda do STF devemos ficar de olhos bem abertos. Haja vista que são representantes por indicação puramente jurídica (política).

    Curtir

  3. daniel camilo do rosario

    A delegacia da Mulher defende a mulher, estando errada ou não. Essa é a verdade. Quando um homem é denunciado, se não tiver provas da inocência será punido. Não há justiça nisso.

    Curtir

  4. Materiazinha desprezível, essa de Veja. Deixa de lado fatos importantes sobre a questão deixando dúvidas e certezas equivocadas na cabeça dos leitores. Cadê a qualidade jornalística da revista? Esquerdizaram de vez?

    Curtir

  5. Joel Carvalho

    Não vejo como modificar o fato de que Feliciano estava em outro lugar e horário, no mesmo momento e lugar que a vítima alega que o réu estava com ela. Os vídeos de um Ministério, na Esplanada dos Ministérios, são até agora, um álibi incontestável a favor de Feliciano.

    Curtir

  6. César Augusto

    Se fosse esquerdista não iam fazer nada. Essa justiça aparelhada me dá nojo.

    Curtir

  7. Acredito que seja uma espécie de perseguição politica, afinal ele deve sair candidato a vice presidente junto com Bolsonaro em 2018.Verdadeiramente eles são de direita e a esquerda está muita incomodada.

    Curtir

  8. Dulce Ricardo

    Olha a incoerência, vcs acham que Feliciano iria cometer uma crime grave deste com uma jornalista? Tenho minhas dúvidas, Acho que é mais uma perseguição política pelos que querem se perpetuar no poder! Estranho é o STF abrir esse tipo de investigação com tantas coisas mais sérias pra resolver! Ah! Muitos juízes estão ali pra ver se dá um jeito dos políticos, serem os mesmos de sempre, eles mudaram até a constituição pra outra tentar voltar em 20018! Tudo é muito estranho??????

    Curtir