Planalto age e votação de caso Cunha fica para setembro

Parlamentares do PSDB, DEM e PSB concordaram com Rodrigo Maia em deixar a votação de cassação de Cunha para depois do término do impeachment

Após uma operação do Palácio do Planalto, a antiga oposição — PSDB, DEM e PSB — concordou em deixar a votação do processo de cassação do mandato do deputado afastado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) para depois do julgamento final do impeachment da presidente afastada Dilma Rousseff. Com a mudança de posição, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), disse a parlamentares que a sessão deve ocorrer entre 12 e 16 de setembro.

O governo do presidente em exercício Michel Temer atuou para adiar a votação da cassação de Cunha porque receia que ele possa atrapalhar o impeachment caso perca o mandato antes. O temor do Planalto é de que o deputado afastado saia “atirando” contra membros do governo, o que pode vir a “tumultuar” a votação final do impeachment, prevista para entre o fim de agosto e começo de setembro. A tese já era defendida pelo centrão, grupo de partidos da base liderados por PP, PSD e PTB, mas enfrentava resistência do PSDB e DEM.

O discurso único da base foi acertado durante esta terça-feira, entre Maia e líderes do centrão e da antiga oposição. O encontro ocorreu na residência oficial da presidência da Câmara. Foi a primeira reunião do presidente da Casa com líderes partidários no local. “Houve consenso. A maioria concordou em ser depois do impeachment (de Dilma)”, afirmou o líder do PSB, Paulo Folleto (ES). Ele disse ter mudado de posicionamento para acompanhar a decisão da maioria. “É melhor deixar para depois do impeachment, por estratégia. Para evitar tumulto, evitar estresse”, completou o líder do DEM, Pauderney Avelino (AM).

O único líder da antiga oposição que diz ter se posicionado contra a maioria foi o do PPS, deputado Rubens Bueno (PR). “Não concordei. Coloquei a minha posição de continuar cobrando a votação o mais rápido possível”, afirmou. Ele disse ter sido o “único” das lideranças presentes a reafirmar que vai continuar cobrando em plenário que Maia faça a votação o mais célere possível.

Leia também: Procuradoria quer que Eduardo Cunha devolva 300 milhões de reais ao estado

Segundo deputados do PP, PSD, PMDB, PSDB e PCdoB, Maia afirmou que não dará para fazer a votação na próxima semana porque não haverá atividades na Câmara em razão do início da campanha eleitoral. Nas duas semanas seguintes, também não seria possível, pois será a votação do impeachment no Senado. Na primeira semana de setembro, também não daria, por causa do feriado de 7 de Setembro. Resta, portanto, a semana entre 12 e 16 de setembro. Maia prometeu anunciar nesta quarta-feira a data exata.

Partidos da oposição protestaram contra a demora na votação da cassação de Cunha. Ontem, PSOL e Rede fizeram um ato para marcar os 300 dias desde que a representação contra o peemedebista foi protocolada no Conselho de Ética. “Usar o impeachment para adiar a votação é desculpa de quem tem medo de enfrentar a verdade”, disse o líder da Rede, Alessandro Molon (RJ). O grupo promete aumentar a pressão caso a votação fique para depois do impeachment. “Vai ter guerra aqui”, disse José Guimarães (PT-CE).

Na segunda-feira, o parecer pela cassação do mandato de Cunha aprovado pelo Conselho de Ética foi lido no plenário da Câmara. A leitura é a última etapa do processo, antes da votação em plenário. A partir dela, o pedido deve entrar como prioridade na pauta de votações do plenário em até duas sessões ordinárias, ou seja, a partir de hoje. A prioridade, no entanto, não obriga que seja votado. Mesmo trabalhando para adiar a votação, aliados de Cunha consideram a cassação provável.

(Com Estadão Conteúdo) 

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Gilberto Goes Junior

    Inaceitável essa Decisão é logico que Esse Ladrão ta Chantageando todo Mundo para se safar,enquanto isso continua recebendo salários e mordomias

    Curtir