Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Perícia revela novos trechos da gravação entre Temer e Joesley

Trabalho deixa mais claro o diálogo entre ambos sobre Eduardo Cunha e mostra que dono da JBS teve influência na escolha de Henrique Meirelles para a Fazenda

Além de concluir que não houve edição, a perícia da Polícia Federal que analisou a autenticidade das gravações entregues pelo empresário Joesley Batista à Procuradoria-Geral da República (PGR) acabou conseguindo esclarecer trechos que, antes, estavam incompreensíveis no diálogo entre ele e o presidente Michel Temer (PMDB).

Em um desses momentos, uma nova fala de Temer pode fortalecer a acusação feita por Joesley de que o presidente consentiu com o pagamento de propina ao ex-deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), em troca do silêncio do parlamentar. Em outro, Temer diz ao empresário que ele foi uma das “influências maiores” para a escolha de Henrique Meirelles como ministro da Fazenda.

Na transcrição feita pela perícia, quando falam sobre o ex-ministro Geddel Vieira Lima (PMDB-BA), Temer questiona se “o Lúcio” estava lá, em uma possível referência ao deputado federal Lúcio Vieira Lima (PMDB-BA), irmão de Geddel que ainda não havia sido identificado no diálogo, ao que ouve a negativa do empresário.

Na sequência, quando já estariam discutindo a situação de Cunha, pouco depois de Joesley dizer “Todo mês”, interpretado pela PGR como referência a pagamentos mensais, Temer questiona, em trecho antes não decifrado: “E o Eduardo também?”, ao que Joesley confirma “também”. A expectativa é que o procurador-geral Rodrigo Janot o denuncie, com base nesta gravação, também por obstrução de Justiça, ao tentar impedir um investigado de colaborar com as investigações.

Outro diálogo que fica mais claro, a partir da melhora de som feita pelos softwares da PF, é o trecho em que Temer indicaria o ex-deputado Rodrigo Rocha Loures como seu interlocutor. Loures foi flagrado recebendo, em um restaurante de São Paulo, uma mala com 500.000 reais repassados a ele por um representante da JBS. Segundo a delação de Joesley Batista, seria a primeira parcela de um total que, em nove meses, somaria 38 milhões de reais em propina, cujos destinatários seriam o ex-parlamentar e o presidente da República. Em troca, atuariam para um benefício em favor da empresa junto ao Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade). Foi essa a acusação que ensejou a denúncia contra Temer por corrupção passiva.

Veja também

Na transcrição definitiva do áudio, Joesley questiona diretamente o presidente se o seu interlocutor “é o Rodrigo?”, uma referência a Loures. O presidente confirma, “o Rodrigo”, ao que o empresário assente: “então ótimo”. Em meio a um trecho que permanece, em parte, ininteligível, Temer diz uma frase que ainda não havia sido decifrada: “pode passar por meio dele, viu?”, antes de completar que o ex-deputado, que foi seu assessor direto, é da sua “mais estrita confiança”.

“Influências maiores”

Desde que a colaboração de Joesley veio a público, Temer vem, sucessivamente, procurando desmoralizá-lo. Primeiro, o chamou de “fanfarrão”, para justificar por que não acreditou que ele tivesse de fato subornado juízes e um procurador. No último pronunciamento, ironizou o fato de o dono do grupo JBS ter circulado pelo Brasil “de chapéu” (um boné), para não ser identificado.

Veja também

A transcrição da Polícia Federal, no entanto, traz um novo trecho, em que ele e o empresário falam sobre o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles. Entre a sua atuação como presidente do Banco Central, no governo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, e a posse como o chefe da economia sob Temer, Meirelles exerceu o cargo de presidente do Conselho de Administração do grupo empresarial de Joesley. No diálogo gravado, o presidente diz que o empresário foi uma das “influências maiores” para que ele fosse escolhido para a função atual, uma das mais importantes de todo o governo.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. E o vampiro chama isso de ilação?????? Será que a gang do congresso depois de ler isso ainda vai inocentar esse corrupto?

    Curtir

  2. Nao faz sentido eles estão falando do Eduardo …ai o temer pergunta o Eduardo também? Não faz sendido nenhum.

    Curtir

  3. Iraci Kosby Corrêa

    E a “operação controlada” contra o Lula quando vai sair, Janot?

    Curtir

  4. Marcyo Frankfurt

    Pelo jeito que andas as coisas pelo jeito não é só um que manda nesse quadrilha do congresso nacional, vem muita lama pode botar fé

    Curtir

  5. Eliane Moura

    O golpe falhou. Aceitem que dói menos.
    Janot é um petralha asqueroso que vai sair do emprego direto pra lata de lixo.

    Curtir

  6. Esse Meirelles é outro safado. Ex ministro do Lula já indica o pedigree do espertalhão. Com essa cara de mordomo de museu de cera, derretendo perante as cameras de tv, vem fazendo o papel que o Margarina fazia com Lula e Dilma. É só alguem com cara de honesto para passar a impressão das pessoas sérias de que tem alguem sério no governo, quando não tem. Se desse, teriamos um Jucá ou outra raposa no MF.

    Curtir

  7. Marcos Ronan Ferreira

    Estranho, muito estranho – acho que é mais uma montagem da PF – acreditem foi ela que fez a operação armadilha – querem destruir o Brasil esta é a verdade.

    Curtir